Negócios
Acompanhe:

Leão vende mais chás de infusão e contraria tendência do mercado

Lançamento de produtos e crescimento nos canais digitais ajuda a Leão a vender na pandemia

 (MirageC/Getty Images)

(MirageC/Getty Images)

M
Marina Filippe

14 de outubro de 2020, 16h59

Apesar da pandemia de covid-19, a marca Leão Alimentos e Bebidas, do Grupo Coca-Cola, registrou um crescimento de 55% nas vendas de chás de infusão (sachês, cápsulas, solúveis e ervas a granel), quando comparado com o mesmo período de 2019. Para a empresa, o resultado está atrelado ao lançamento de produtos e novas estratégias de vendas.

"Temos percebido que o brasileiro vem adquirindo novos hábitos e os chás para infusão entram em uma tendência. Considerando este segmento, no primeiro semestre, chás com ervas básicas com muito apelo por sua funcionalidade e produtos de linhas mais premium tiveram grande destaque nos nossos resultados", diz Dirk Schneider, presidente da Leão Alimentos e Bebidas.

No ano passado, a Leão apostou numa linha de chás para preparo com água gelada. Já em 2020, o lançamento foi da Leão Funcionais, com quatro opções: Reequilibra (chá verde com gengibre e limão), Recarrega (chá mate com guaraná), Reanima (chá preto com laranja e mel) e Relaxa (chá de camomila e maracujá).

A busca por chás pode refletir nas mudanças de hábito ocasionadas pela pandemia, especialmente quando se viu um aumento pelo interesse em saúde e cuidados pessoais. No Google Brasil, por exemplo, a busca por chás saiu do índice de busca 60 em março, para 96 em maio e 100 em julho — sendo a escala de zero a 100.

Os bons resultados divulgados pela Leão, porém, não refletem todo o mercado. Segundo o provedor de pesquisa de mercado, a Euromonitor International, a queda esperada nas vendas de chás no Brasil neste ano é de 10% em média, contando todas as categorias, por exemplo, infusão e pronto para beber.

Para a fabricante de bebidas, um ganho se deve também a maior presença em canais digitais. A empresa vem incluindo farmácias, lojas de conveniência, canais de e-commerce e aplicativos de entrega, por exemplo, na rede de distribuição da linha seca.

“Aumentamos em mais de 100% o volume de vendas via comércio eletrônico com a entrada de nossos produtos em marketplaces como Magazine Luiza, Mercado Livre e Americanas.com”, conta Marcelo Correa, diretor comercial e de novos negócios.

Para o executivo, a diversificação de portfólio também é importante. "Do chá gelado aos funcionais ou mesmo o tradicional mate, é importante conseguir estar presente em cada momento do dia, fortalecendo também a distribuição em diferentes pontos de contato com o consumidor".

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.