• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

JP Morgan projeta alta das ações de saúde, energia e bancos no Brasil

"Estamos comprados em Brasil", diz Emy Shayo, estrategista do banco. A fatia de papéis brasileiros no JP supera o peso do país no índice de emergentes
Bolsa brasileira: "entre mercados emergentes, vemos o Brasil como único, pois tem uma história para contar", diz Emy Shayo (FuturaPress/Renato S. Cerqueira)
Bolsa brasileira: "entre mercados emergentes, vemos o Brasil como único, pois tem uma história para contar", diz Emy Shayo (FuturaPress/Renato S. Cerqueira)
Por Natália FlachPublicado em 22/11/2019 13:13 | Última atualização em 22/11/2019 13:13Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - No vaivém de apostas do mercado, o banco JP Morgan projeta que agora o Brasil vai. "A nossa recomendação é overweight (performance acima da média de mercado) para o país", diz Emy Shayo, estrategista de renda variável para América Latina. Isso significa que, na carteira de investimentos da instituição, a fatia de ações brasileiras supera 7,2% — que é o peso do Brasil no índice MSCI Emerging Markets, que reúne 1.100 ativos de 26 países.

"Temos uma posição expressiva, pois vemos uma simbiose entre crescimento e reformas no país. Os maiores riscos vêm de fora com a tendência de 'desglobalização', que significa que as guerras comerciais vieram para ficar", acrescenta, em conversa com EXAME após um evento em São Paulo.

Para a especialista, os segmentos que devem se destacar, na bolsa brasileira, em 2020, são os de consumo discricionário (ou cíclico), educação, saúde, energia e bancos.

"Entre mercados emergentes, vemos o Brasil como único, pois tem uma história para contar. Tem a narrativa de reformas e de taxa de juros baixas, variáveis que não tínhamos há anos. Por isso, temos recomendação de compra em renda variável e estamos comprados em Brasil."

A expectativa é de que haja um fluxo maior para renda variável com a saída de investidores da renda fixa — dado que a taxa básica de juros está no menor patamar histórico, em 5% ao ano. Isso deve ser visto tanto na carteira de pessoas físicas quanto na de fundos mútuos, que hoje tem um percentual de 11,5% em ações. "Já foi o dobro disso, e devemos ver um aumento."

Veja Também

FIIs: oportunidade da década para quem sabe investir
Onde Investir
Há 18 horas • 6 min de leitura

FIIs: oportunidade da década para quem sabe investir