• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Fim do bufê por quilo? Viena vende comida congelada em mercados

Com a pandemia do novo coronavírus, o tradicional bufê não deve voltar tão cedo e a marca se voltou ao delivery e ao varejo
 (Divulgação/Viena)
(Divulgação/Viena)
Por Karin SalomãoPublicado em 20/06/2020 08:00 | Última atualização em 20/06/2020 09:51Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A rede de restaurantes Viena, focada em servir refeições em bufês por quilo, precisou se reinventar na pandemia do novo coronavírus. Depois de fechar todos os restaurantes para o público e entrar para o delivery, começou a vender refeições congeladas em supermercados da rede Sam's Club. Além disso, não espera retornar ao seu negócio original, de bufê, pelo menos até o fim do ano.

Com a pandemia do novo coronavírus, a rede chegou a fechar todas suas 35 unidades, entre os restaurantes de bufê, quiosques de lanches e lojas da marca Delish, voltada para atendimento em hospitais. 

O bufê não deve voltar tão cedo - a comida exposta e o compartilhamento de talheres para se servir não fazem sentido no meio da pandemia. "Até pensamos em um modelo intermediário, em que alguém serviria os clientes. Mas o modelo é estranho, ficaria parecendo refeitório e poderia intimidar os consumidores", diz Andrea Piccinato, diretora de operações do Viena.

A empresa precisou se reinventar. Passou a atuar pelo delivery, por meio de uma parceria com o Ifood, com pratos montados. Hoje nove operações em shoppings center estão voltadas à preparação de pedido para delivery ou comida para viagem. Além dos pratos, a rede também oferece um kit de happy hour, com seus conhecidos salgadinhos. 

A novidade mais recente é a linha de alimentos congelados, que chega aos supermercados Sam's Club, do Grupo Big (ex-Walmart). São seis pratos, como picadinho de carne, estrogonofe de frango e ravioli de queijo, vendidos a R$ 19,90. Os pratos congelados são feitos a partir da cozinha central do Viena, que também fornece os salgadinhos e outros itens para os restaurantes. 

Piccinato lamenta o fim provisório do bufê, que trazia um tíquete médio e margens maiores à companhia. "Você come com os olhos. Quando vê o bufê com mais de 20 opções, acaba até comendo mais", diz. "Mas entendemos que o delivery e a venda para o varejo são modelos que ajudam a empresa a retomar o equilíbrio financeiro." 

A rede Viena faz parte do grupo IMC, que também detém a marca Frango Assado e outras menores, como Olive Garden e Margaritaville no Brasil. Ano passado, o grupo firmou uma fusão com a MultiQRS, que detém as operações das redes de fast food Pizza Hut, KFC e Taco Bell no Brasil e pertence à família Wizard Martins.