Negócios

Fachin determina transferência de R$ 600 mil para Transpetro

Os pagamentos são referentes às primeiras parcelas pagas pelos ex-executivos da empresa NM Engenharia

Fachin: a decisão foi tomada em resposta a pedido da PGR (Ueslei Marcelino/Reuters)

Fachin: a decisão foi tomada em resposta a pedido da PGR (Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de fevereiro de 2018 às 22h18.

Brasília - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a transferência de R$ 600 mil em multas pagas por dois executivos da NM Engenharia para compensar danos provocados à estatal Transpetro. A decisão foi tomada em resposta a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os pagamentos são referentes às primeiras parcelas, no valor de R$ 200 mil e R$ 400 mil, pagas pelos ex-executivos da empresa NM Engenharia Nelson Cortonesi Maramaldo e Luiz Fernando Nave Maramaldo, conforme determinado por acordo de colaboração premiada firmado com o Ministério Público.

O pedido da PGR destacava que a transferência foi solicitada "a fim de reparar parcialmente os danos causados pelas infrações praticadas pelos colaboradores". As informações são da assessoria do STF.

O MP também ressalta que a Lei do Crime Organizado prevê que um dos resultados da colaboração premiada consiste na recuperação total ou parcial do produto ou proveito das infrações penais praticadas pela organização.

Segundo os depoimentos prestados, os executivos Nelson Cortonesi e Fernando Nave Maramaldo teriam pago valores a Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, para a obtenção de contratos com a estatal. Os pagamentos, segundo Sérgio Machado, estariam destinados a "acordos políticos".

Acompanhe tudo sobre:Edson FachinOperação Lava JatoSupremo Tribunal Federal (STF)Transpetro

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame