Facebook começa a produzir seus próprios programas e séries

O desenvolvimento de conteúdos próprios é uma tendência entre os principais atores da internet atualmente

O Facebook começou a produzir séries e "game shows" para difundir na rede social, indicou a empresa na segunda-feira à AFP, confirmando uma informação do Wall Street Journal, uma tendência à que aderiram muitas grandes companhias de internet.

A plataforma de cerca de dois bilhões de usuários mensais (1,94 bilhão no final de março) trabalha neste projeto com "um pequeno grupo de sócios e criadores", indicou Nick Grudin, vice-presidente de parcerias de mídia do Facebook, em um comunicado enviado à AFP.

"Nosso objetivo é fazer do Facebook um lugar onde as pessoas possam se unir em torno do vídeo", disse Grudin, observando que a rede social e seus colaboradores vão "experimentar os tipos de programas nos que você pode construir uma comunidade ao redor - do esporte à comédia, passando pelos 'reality shows' e pelos 'game shows'".

Por enquanto, estes programas estão sendo financiados diretamente pelo Facebook, "mas com o tempo queremos ajudar muitos criadores a fazer vídeos financiados por um sistema de compartilhamento de receita como o Ad Break", uma ferramenta de software que permite inserir publicidade nos conteúdos difundidos ao vivo pela rede social.

O Facebook não revelou a identidade dos seus sócios de produção de conteúdo.

De acordo com o Wall Street Journal, representantes da rede social estão se reunindo com executivos de estúdios de Hollywood, agências de representação de atores e criativos da televisão e do cinema.

Segundo o jornal econômico, o Facebook se dispõe a desembolsar até três milhões de dólares por episódio produzido, o orçamento de um programa de alta qualidade para a televisão a cabo nos Estados Unidos.

O gigante californiano planeja colocar on-line os primeiros programas no final do verão boreal.

O desenvolvimento de conteúdos próprios é uma tendência entre os principais atores da internet, que durante muito tempo se limitaram a abrir suas plataformas a programas produzidos por outros.

Netflix, Amazon e a plataforma de televisão on-line Hulu (empresa conjunta da Disney, Comcast, 21st Century Fox e Time Warner), se voltaram para esta tendência, seguidos mais recentemente por YouTube e Apple, em uma escala mais modesta.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.