• BVSP 119.369,19 pts +0,5%
  • USD R$ 5,6662 -0,0675
  • EUR R$ 6,7666 -0,0638
  • ABEV3 R$ 15,71 +1,29%
  • BBAS3 R$ 29,57 +0,07%
  • BBDC4 R$ 25,61 -0,43%
  • BRFS3 R$ 24,41 -0,29%
  • BRKM3 R$ 46,81 +0,11%
  • BRML3 R$ 9,69 -1,22%
  • BTOW3 R$ 66,79 +5,51%
  • CSAN3 R$ 89,98 -0,02%
  • ELET3 R$ 34,72 -0,06%
  • EMBR3 R$ 15,74 -1,93%
  • Petróleo US$ 63,78 +0,93%
  • Ouro US$ 1.747,00 +0,83%
  • Prata US$ 25,45 +2,48%
  • Platina US$ 1.160,20 -1,25%

Exxon defende "propósito superior" do petróleo, mas avisa que vai demitir

Para a petroleira americana, os combustíveis fósseis oferecem o caminho mais econômico para o desenvolvimento em países pobres

A Exxon Mobil planeja demitir um número não especificado de funcionários devido aos baixos preços do petróleo, que obrigam a empresa a adiar grandes projetos, disse o presidente Darren Woods em e-mail à equipe. Para onde vai o petróleo? E os seus investimentos? Saiba tudo sobre o mercado lendo as análises e relatórios da EXAME Research.

Woods também fez uma ampla defesa dos combustíveis fósseis, chamando-os de "propósito superior" que ajuda a prosperidade global em um momento em que rivais europeias veem as energias renováveis como o futuro.

"São tempos difíceis", disse Woods na mensagem, cujo texto foi divulgado pela empresa na quarta-feira. "Estamos tomando decisões difíceis, algumas das quais resultarão na saída de amigos e colegas da empresa."

Os cortes de empregos da gigante do petróleo são apenas mais um sinal das dificuldades de produtores de energia dos EUA, que enfrentam a pior crise do setor na memória recente. Nesta semana, duas fusões de peso foram anunciadas enquanto produtores buscam ganhar escala e cortar custos para sobreviver ao impacto da Covid-19 na demanda global por combustível. Muitos pediram recuperação judicial.

As ações da Exxon acumulam baixa de 52% desde janeiro, e a empresa praticamente encerrou sua estratégia agressiva de crescimento anticíclico de 30 bilhões de dólares ao ano. A empresa teve que cortar os investimentos em um terço, ou 10 bilhões de dólares, depois que o petróleo caiu para o nível mais baixo em uma geração. Rivais como BP e Chevron também anunciaram demissões em larga escala nas últimas semanas.

"Nosso plano é continuar a preparar a execução de projetos e gastos", disse Woods. "Tornar a organização mais eficiente e ágil irá reduzir o número de cargos necessários e, infelizmente, reduzir o número de pessoas de que precisamos."

Mas Woods deixou claro que os cortes não são um sinal de que sua confiança no setor de petróleo e gás diminuiu. Os combustíveis fósseis ainda responderão por cerca da metade da matriz energética global até 2040 e, geralmente, oferecem o caminho mais econômico para o desenvolvimento em países pobres, especialmente os da África e da Ásia, disse Woods.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.