Negócios
Acompanhe:

Executivos da Companhia de Estágios criam HRtech e investem R$ 4 milhões

Tiago Mavichian, fundador e CEO da Companhia de estágios, é o acionista majoritário e detém 76% de participação

Hugo Rebelo, CTO e cofundador, Carolina Madureira, CEO, Tiago Mavichian, cofundador, e Rafael Pinheiro, cofundador da Bluy (Vinicius Amano/Studio 128/Divulgação)

Hugo Rebelo, CTO e cofundador, Carolina Madureira, CEO, Tiago Mavichian, cofundador, e Rafael Pinheiro, cofundador da Bluy (Vinicius Amano/Studio 128/Divulgação)

M
Marcos Bonfim

16 de janeiro de 2023, 08h30

O mercado de HRtech está ganhando mais uma startup, a Bluy, uma spin-off da Companhia de Estágios, empresa que atua no setor de recrutamento e seleção de estagiários e trainees.

Com investimentos de 4 milhões de reais executivos da Companhia de Estágios, a startup chega com um modelo plataforma SaaS (software as a service) oferecendo cerca de 40 filtros que as empresas podem utilizar para exibir as suas vagas e refinar a busca por profissionais.

Além disso, dispõe de recursos para reduzir os vieses discriminatórios no momento de seleção, como o currículo oculto, opção em que o recrutador só tem dados sobre a experiência e feitos profissionais do candidato.

Para iniciar a operação, a Bluy conta com um banco de dados com 1,6 milhão de candidatos, público obtido com a irmã mais velha, a Companhia de Estágios.

Segundo Carolina Madureira, Ceo da empresa, tudo dentro da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). “Assim que um candidato assina o termo de inscrição na Companhia de Estágios, ele também autoriza o uso dessas informações para a Bluy”, afirma.

A ideia da startup é atender um perfil variado de empresas, desde pequenas a empresas de grande porte. Com ticket médio de 2,5 mil reais por mês, o valor da assinatura varia de acordo com as demandas, como uso de recursos mais avançados, consumo do banco de currículos e quantidade de abertura de vagas. Os candidatos se cadastram gratuitamente na plataforma.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Apesar do recente lançamento no fim do ano passado, a empresa já estima a ampliação do escopo. “Vamos usar a tecnologia para criar uma melhor experiência no mundo do trabalho, pensando em atração, gestão, desenvolvimento, retenção de pessoas”, diz a executiva com passagens por empresas como Cyrela, Gupy e Somos Educação.

Quem está por trás da operação

O acionista majoritário da startup é Tiago Mavichian, também fundador e CEO da Companhia de estágios, com 76% de participação.

Os outros sócios são:

  • Hugo Rebelo, CTO nas duas empresas, com 15%
  • Carolina Madureira, diretora de customer success da Companhia por dois anos e agora CEO da startup, com 5%
  • Rafael Pinheiro, diretor comercial na Companhia de Estágios e CCO na Bluy, 4%

O valor de 4 milhões de reais colocado na operação tem sido destinado para as áreas de tecnologias e para a formação do time, atualmente com 14 profissionais.

A expectativa é de que já neste primeiro ano a startup alcance o breakeven, o famoso ponto de equilíbrio no mundo dos negócios. O resultado está associado a outra meta da companhia: abrir mais de 3 mil vagas de emprego na plataforma ao longo de 2023.

LEIA TAMBÉM:

Especialista em PIX, startup de gestão de pagamentos recebe aporte de R$ 7 milhões

Startup com foco em crianças com autismo recebe aporte de mais de R$ 50 milhões

Escola de tecnologia de tricampeão brasileiro de robótica capta mais de R$ 23 milhões

Puma lança primeira megaloja e avisa: “estamos em uma fase de expansão”