Negócios

Startup com foco em crianças com autismo recebe aporte de mais de R$ 50 milhões

Genial Care, lançada em 2020, recebe a sua segunda rodada de investimentos. General Catalyst, fundo investidor de empresas como Airbnb, Snapchat e Kavak, liderou a rodada

Kenny Laplante, da Genial Care: essa ideia de fazer uma intervenção no momento certo da maneira certa é o que me levou a atingir o meu potencial (Genial Care/Divulgação)

Kenny Laplante, da Genial Care: essa ideia de fazer uma intervenção no momento certo da maneira certa é o que me levou a atingir o meu potencial (Genial Care/Divulgação)

A Genial Care, startup com soluções para ajudar crianças com autismo, recebeu aporte de US$ 10 milhões, o equivalente a aproximadamente a 51,3 milhões de reais.

Esse é o segundo aporte da startup, apresentada ao mercado no fim de 2020 pelo americano Kenny Laplante. O primeiro foi um investimento de R$ 5 milhões liderado pelo Canary e com participação de pessoas físicas e jurídicas como:

  • Robbert Vorhoff, líder de saúde da General Atlantic
  • Thomaz Srougi, cofundador do Dr. Consultae
  • Brian Requarth, cofundador do VivaReal

A nova entrada de capital foi comandada pelo General Catalyst, investidor de empresas como Airbnb, Snapchat e Kavak. A ação foi acompanhada pelo fundo Atlântico, Canary e também por pessoas físicas.

O que faz a Genial Care

A Genial Care foi lançada com uma plataforma de conteúdos em texto, áudio e vídeo para auxiliar pais e cuidadores de crianças com o autismo. Entre os tipos de materiais disponibilizados, informações sobre:

  • Como estimular os habilidades sociais
  • Como lidar com comportamentos mais desafiadores - situações em que as crianças choram demais, têm dificuldade de socialização e não gostam de estar lugares públicos
  • Autocuidado dos pais e cuidadores

Digital e por assinatura, o modelo incluía ainda encontros virtuais para entender a necessidade das famílias e desenvolver conteúdos personalizados.

O início serviu para validar o caminho escolhido pela empresa. Entre os resultados clínicos obtidos, a startup registrou 26% de redução em comportamentos desafiadores.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

No pouco tempo de vida, menos de dois anos, a Genial Care expandiu a atuação para atender as próprias crianças.

Para isso, a startup tem investido nas “Casas Geniais”, espaços onde as crianças são atendidas por profissionais clínicos como psicólogos, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, especialistas que passam por um processo de capacitação proprietário da Genial. Atualmente, conta com 12 unidades, entre três próprias e nove ambientes parceiros.

"Dentro do pacote, oferecemos os serviços de atendimento na clínica, orientação parental online e, além disso, tem o acesso ao aplicativo onde consegue acompanhar o que aconteceu na sessão e onde carregamos os conteúdos específicos para a criança", afirma Laplante.

Em 2023, pretende ampliar o número, chegando a 12 próprias, com o uso de parte dos novos recursos. Outras destinações do dinheiro incluem a contratação de novos profissionais e o investimento na plataforma de conteúdo.

Até pela formatação atual, com soluções que vão do digital ao presencial, a startup está presente apenas em São Paulo. No futuro breve, a Genial deseja expandir a operação tanto para outros territórios nacionais quanto para outros países.

Qual o modelo de negócios

Com custo elevado e planos a partir dos R$ 6 mil mensais, a Genial Care tem 90% da receita proveniente de planos de saúde. Os outros 10% são dos clientes particulares.

“No mercado, você acha clínicas que cobram de R$ 20 mil a R$ 25 mil por mês, não chegamos nem perto deste nível”, afirma.

Segundo o executivo, como o autismo é uma condição de vida e não tem cura, o objetivo é dar mais autonomia às crianças, o que contribuirá para que os valores diminuam em dado espaço de tempo. "O plano de saúde vê não só a redução de curto prazo, mas também ao longo do tempo”, diz Laplante.

Em 2022, a empresa cresceu em 10 vezes o número de vidas acompanhadas e registrou crescimento similar em termos de faturamento. A startup não abriu os valores atuais. Para 2023, a expectiva é de manter o ritmo de expansão.

Quem é o fundador da Genial Care

Formado em finanças, Kenny começou sua carreira em Nova York como analista de healthtechs para o fundo de investimentos General Atlantic, conhecido por investimentos em startups como QuintoAndar e Gympass. Foi neste período que ele se “apaixonou por saúde infantil”.

Após dois anos e meio no mercado, decidiu que era hora de começar a empreender e fora dos Estados Unidos. Em 2017, veio com a esposa brasileira para São Paulo e começou a estudar e a construir o que hoje é a Genial Care.

“A genial nasce para contribuir com que as crianças atinjam o máximo potencial”, diz. A afirmação guarda uma ligação forte com a própria história do fundador.

Até os 4 anos de idade, ele tinha problemas de comunicação verbal e a fonoaudióloga que identificou a situação desenvolveu um tratamento que durou três anos. No diagnóstico, apraxia, uma desordem que pode prejudicar os movimentos. No caso em específico, os músculos responsáveis pelos articulação e emissão de palavras.

“Essa ideia de fazer uma intervenção no momento certo e da maneira certa é o que me levou a atingir o meu potencial”, afirma.

LEIA TAMBÉM:

Especialista em PIX, startup de gestão de pagamentos recebe aporte de R$ 7 milhões

Marca de barras de proteína investe R$ 35 milhões em fábrica e mira receita de R$ 500 milhões

Escola de tecnologia de tricampeão brasileiro de robótica capta mais de R$ 23 milhões

Puma lança primeira megaloja e avisa: “estamos em uma fase de expansão”

Mais de Negócios

De vencedora a vencida: como a Blockbuster foi desbancada pela Netflix com uma estratégia financeira

Empresa que começou vendendo máquina de escrever compra startup de IA pra faturar R$ 715 milhões

O Brasil ainda não é um consenso para os investidores globais, afirma Bank of America

Em live relâmpago da WePink, Virgínia vende R$ 4,6 milhões em 20 minutos

Mais na Exame