Embraer prevê em 2019 entregar de 85 a 95 jatos comerciais a executivos

As receitas devem ficar entre US$ 5,3 bilhões e US$ 5,7 bilhões, enquanto estima atingir margem Ebit consolidada de aproximadamente zero em 2019
Jato corporativo da Embraer, Phenom 300E (Reuters/Embraer SA)
Jato corporativo da Embraer, Phenom 300E (Reuters/Embraer SA)
Por Rodrigo Petry , do Estadão ConteúdoPublicado em 16/01/2019 12:16 | Última atualização em 16/01/2019 12:16Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - A Embraer prevê entregar em 2019 entre 85 e 95 jatos comerciais, 90 a 110 jatos executivos, incluindo jatos executivos leves e grandes, 10 aviões Super Tucano e dois cargueiros KC-390.

As receitas totais devem ficar entre US$ 5,3 bilhões e US$ 5,7 bilhões, enquanto estima atingir uma margem Ebit consolidada de aproximadamente zero (breakeven) em 2019, informou a empresa há pouco, em fato relevante.

"É importante destacar que as projeções de 2019 incluem potenciais custos e despesas associadas com a criação de uma nova empresa na área de aviação comercial, em parceria estratégica entre a companhia e Boeing", diz o comunicado.

Segundo a empresa, com a conclusão da operação, estimada para o final de 2019, a Embraer antecipa uma estrutura de capital sem alavancagem, com posição de caixa líquido de aproximadamente US$ 1,0 bilhão, após o pagamento de um dividendo especial para os acionistas de aproximadamente US$ 1,6 bilhões.

2020

Para 2020, com a perspectiva de conclusão do acordo com a Boeing, a Embraer divulga projeções que contemplam 100% dos resultados esperados dos segmentos de Aviação Executiva e Defesa & Segurança, excluindo os resultados da participação de 20% da Embraer na JV Aviação Comercial em parceria com a Boeing.

Dessa forma, a Embraer espera atingir uma receita líquida entre US$ 2,5 bilhões e US$ 2,8 bilhões, com uma margem Ebit entre 2% e 5% e uma geração de fluxo de caixa livre de aproximadamente zero (breakeven) no ano de 2020.