Acompanhe:
seloNegócios

Ele concluiu que as americanas invejam a beleza das brasileiras e criou um negócio de R$ 200 milhões

Renato Antunes é o fundador da Braé, marca de tratamentos capilares que cresceu promovendo a 'Brazilian experience' dentro e fora do país e que, agora, está lançando fragrâncias corporais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Renato Antunes, da Braé: foco no marketing de influência com 'publis' da marca nos perfis de celebridades (Divulgação/Divulgação)

Renato Antunes, da Braé: foco no marketing de influência com 'publis' da marca nos perfis de celebridades (Divulgação/Divulgação)

Num país com dificuldade de usar a sua própria imagem para alavancar negócios no exterior, como é o caso do Brasil, o mercado de cuidados pessoais foge à regra e vem demonstrando como conseguir lucrar com o Brazilian lifestyle.

Vide exemplos como a depilação íntima feminina apelidada de Brazilian wax nos Estados Unidos ou, ainda, os chinelos Havaianas onipresentes ao redor do planeta.

O empreendedor Renato Antunes sonha em criar mais uma marca brasileira capaz de ser um nome familiar em mercados como Estados Unidos e Europa.

Quem é o empreendedor

Nascido em Sorocaba, no interior paulista, Antunes está à frente da Braé Hair, uma empresa de tratamentos capilares aberta em 2015. Neste ano, o negócio deve faturar 200 milhões de reais, 15% disso fora do Brasil – sobretudo nos Estados Unidos.

A pegada da Braé é oferecer às estrangeiras um pouco da experiência das brasileiras de cuidados capilares. Daí o nome da empresa, uma abreviação de Brazilian experience.

O Brasil é um laboratório mundial para quem cuida de cabelos. A miscigenação e as condições climáticas favorecem uma diversidade única dos fios. Só aqui é possível encontrar cachos com formatos diferentes.

Como se não bastasse, o país é um celeiro de tinturas capilares e de salões de beleza. Há mais de 40.000 deles só na cidade de São Paulo.

A profusão de tratamentos capilares com nomes cativantes como escova marroquina, escova japonesa e tantas outras fizeram sucesso por aqui nas últimas décadas não por acaso.

"O sonho da mulher americana é ter o mesmo cabelo bonito e bem cuidado das brasileiras", diz Antunes.

Formado em engenharia, Antunes construiu carreira como gerente de comércio exterior de empresas do setor de higiene e beleza em Miami.

Qual é a fórmula da Braé

A decisão de empreender veio após a constatação das queixas sobre tratamentos para descoloração de cabelos da época.

"Me juntei a especialistas e coloração para montar uma fórmula que eu pudesse garantir uma cor bacana sem detonar o cabelo da cliente", diz ele.

Patenteada, a receita da fórmula é um segredo guardado por ali com um zelo semelhante ao dos ingredientes da Coca-Cola.

Aberta em Miami, onde Antunes passava boa parte do tempo na ocasião, a Braé começou vendendo produtos para profissionais de beleza nos Estados Unidos. O resultado foi ok, mas Antunes tinha a sensação de estar deixando dinheiro na mesa.

"No Brasil, fonte de inspiração para a Braé desde o início, ninguém tinha um produto de hidratação para tratamentos de descoloração tão bom quanto o que havíamos desenvolvido", diz ele. "Estava ali um mercado mais fácil para ganhar escala e relevância rápido."

Como o Brasil foi importante para a marca

A partir de 2017, o Brasil virou o centro das atrações da Braé. Numa sociedade tão afeita às redes sociais como a brasileira, a estratégia para ganhar mercado aqui foi a de contratar influenciadores de moda e beleza para campanhas em seus perfis – também chamados de publi.

As primeiras caras da Braé foram socialites badaladas em São Paulo como Mari Saad e Carol Celico.

Mais tarde, à medida que a marca ia ganhando uma presença nacional, nomes como Deborah Secco, Cláudia Raia, Ticiane Pinheiro, Lore Improta, Claudia Leitte, Simaria e Camila Coelho viraram também embaixadoras da Braé.

O boca a boca digital ajudou a abrir as portas de salões de beleza aos produtos da Braé. Hoje a empresa está em mais de 25.000 salões em 12 países. A maioria deles, contudo, acaba sendo no Brasil.

Com o modelo de negócio testado e aprovado por cabeleireiros, o passo seguinte foi a venda direta ao consumidor.

Inicialmente a marca apostou em lojas multimarcas de produtos de beleza como Ikesaki e Beleza na Web. Hoje, os produtos estão em mais de 5.000 pontos de venda.

Mais recentemente, a Braé investiu na abertura de quiosques dedicados em lojas de produtos de beleza para profissionais. Hoje são sete pontos de venda no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Além disso, em Nova York, a empresa abriu o The Boutique By Braé, um salão de beleza a poucas quadras de Soho, região no sul de Manhattan alçada à fama pela presença de boutiques de luxo e galerias de arte.

Por ali, 100% dos cabeleireiros são profissionais brasileiros dispostos a dar às americanas um pouco da experiência vivida pelas brasileiras em salões de beleza.

"A gente tem o costume de escutar mais as clientes e de fazer um atendimento mais personalizado do que o usual nos salões de beleza dos Estados Unidos", diz ele.

Os planos daqui para frente

Em cinco anos, a meta de Antunes é faturar 1 bilhão de reais com a Braé. Para isso, a estratégia agora é ir além das mechas hidratadas.

Neste 8 de dezembro, a Braé está lançando a sua primeira fragrância corporal: Braé For Her, um perfume com notas florais e cítricas criadas pelo perfumista brasileiro Eurico Mazzini a partir de essências de bergamota, flor de peônia, rosa e jasmim.

Como de costume, o marketing será o de influência via redes sociais. A embaixadora da nova linha é a atriz Paolla Oliveira.

"Este lançamento marca não apenas a entrada da Braé no universo da categoria pele de perfumaria como também um passo importante para outras categorias de produtos para o cuidado da mulher", diz.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"
seloNegócios

Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"

Há 8 horas

Ricardo Bellino leva líderes empresariais ao mosteiro Zen para aprender nova abordagem de liderança
seloNegócios

Ricardo Bellino leva líderes empresariais ao mosteiro Zen para aprender nova abordagem de liderança

Há 11 horas

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro
seloNegócios

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro

Há 12 horas

Como abrir um negócio usando a inteligência artificial e ter mais chance de ser bem sucedido
seloNegócios

Como abrir um negócio usando a inteligência artificial e ter mais chance de ser bem sucedido

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais