Negócios

Dona de plataforma de treinamento e educação corporativa, Ilog Tecnologia capta R$ 2,5 milhões

O valor será usado pela startup para criar novas soluções, entrar em outros perfis de empresas e para estruturar estratégia de marketing

Gustavo Rohde, da Ilog: nós queremos crescer bem e dar uma encorpada, aumentando a base de cliente, diversificando o portfolio de produtos e aumentando o faturamento

Gustavo Rohde, da Ilog: nós queremos crescer bem e dar uma encorpada, aumentando a base de cliente, diversificando o portfolio de produtos e aumentando o faturamento

Dona da plataforma de treinamento e educação corporativa Konviva, a edtech Ilog Tecnologia captou R$ 2,5 milhões. O valor será usado pela startup para criar novas soluções para o mercado, entrando em novos perfis de empresas, e também para estruturar estratégia de marketing.

No serviço de SaaS oferecido pela Ilog, as companhias podem estruturar os processos de aprendizado dos seus funcionários. Elas definem, por exemplo, os conteúdos que os empregados precisam assistir nos seus primeiros dias de trabalho, as trilhas de conhecimento que têm acessar de acordo com a área de atuação ou o perfil de desenvolvimento de carreira.

Os recursos vieram da Naia Capital, fundo de Venture Debt, modelo trabalha com “empréstimos de risco”. Neste tipo de financiamento, em crescimento no país, não há diluição da participação acionária dos sócios-fundadores.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Pela negociação, também estão previstos a liberação de outros R$ 2,5 milhões no intervalo de seis meses. Todo o acordo foi conduzido pela Stark, que fez a ponte entre a startup e o fundo.

Quais os próximos passos

Para receber os novos recursos, a startup precisa colocar a “lição de casa” em dia, como estruturar melhorar a governança, com a criação de novos processos e a contratação de profissionais para a gestão.

Além disso, a Ilog atua no desenvolvimento de uma nova plataforma para ser usada por pequenas e médias empresas, com número de funcionários entre 200 e 500.

Hoje, o modelo de negócio da edtech é considerado premium, compreendendo clientes de grande porte. Entre eles, O Boticário, Volkswagen, Enel, Audi, BMW e Bloomin' Brands, dona do Outback e Abbraccio, que colocam na ferramenta pouco mais de 3 milhões de profissionais.

Apesar de ter uma cartela desejável, como requer um ticket mais alto, a plataforma acaba por limitar o acesso e o potencial de expansão.

Para o novo produto, a Ilog desenha uma solução mais barata e mais adequada a empresas que não contam com todo um suporte interno para a promoção e o acompanhamento dos treinamentos.

“Vamos tornar mais simples a vida tanto do gestor que precisa desenvolver o time quanto do profissional que precisa se aprimorar e se tornar melhor”, afirma Gustavo Rohde, CEO da Ilog e que está neste mercado de educação a distância há mais de 20 anos.

 As mudanças também têm em vista o desejo de captar no mercado de venture capital um cheque mais gordo a partir de 2024.

Em 2020, quando a Ilog acionou a Stark pela primeira vez para obter recursos, os principais feedbacks dos fundos envolviam os elementos acima: marketing e criação de novos produtos para avançar e potencializar crescimento.

“Nós queremos crescer bem, dar uma encorpada do ponto de vista de aumentar a base de cliente, da diversificação de portfolio de produtos e de aumento do faturamento”, afirma.

Em 2022, a empresa deve fechar com pouco mais de R$ 20 milhões de faturamento, alta de 26% em relação ao ano de 2021.

Outro objetivo de curto prazo da Ilog é a internacionalização. Hoje, ela exporta os seus serviços apenas a partir de clientes locais, como a Weg, multinacional brasileira que usa a plataforma internacionalmente.

“Estamos em via de assinar com um player global do nosso segmento, que é complementar à nossa oferta, para que sejamos o parceiro estratégico para a América Latina toda. A internacionalização é algo que está muito forte no nosso radar”, diz Rohde.

Como surgiu a Ilog

A nova formação da Ilog tem 10 anos, foi criada em 2012, mas a origem da empresa remonta ao começo da oferta de internet comercial no país, no fim do século passado.

Rohde e três amigos, todos eles formados em engenharia elétrica pela Universidade de Santa Catarina, criaram uma empresa, a Multinet, para produzir multimídia para a internet, como homepage e sites.

Ao longo daquele período, começaram a explorar outras possibilidades e, até pela proximidade com a universidade, chegaram ao então incipiente mercado de educação à distância.

Depois de uma cisão entre os sócios, a empresa ganhou o nome de Ilog. E, frente às discussões entre ensino presencial e virtual no meio acadêmico, optou pelo mundo corporativo, oferecendo as suas soluções para empresas.

A companhia vendeu parte das suas soluções e softwares de aprendizagem corporativa para a Datasul, especializada em software de gestão, empresa depois adquirida pela Totvs. Os executivos, incorporados ao novo sistema, só podiam atuar sob as novas chancelas.

Cinco anos depois, vencida a cláusula não-competição, Rhodes resgatou a marca e lançou a versão atual. Atualmente, a Ilog tem pouco mais de 100 funcionários, entre os quais os outros quatro sócios.

LEIA TAMBÉM

Marca de barras de proteína investe R$ 35 milhões em fábrica e mira receita de R$ 500 milhões

Demitido por não ter perfil para o setor, executivo tem construtora com R$ 1,5 bilhão de VGV

Como Netão, do Bom Beef, pretende faturar R$ 300 milhões em 2023

Acompanhe tudo sobre:StartupsTreinamento

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame