Dia do Orgulho LGBTQIA+: empresas miram diversidade e realizam ações

No dia do Orgulho LGBTQIA+, conheça algumas ações e iniciativas promovidas por empresas em favor da diversidade
Dia do Orgulho LGBTQIA+: empresas com ações e campanhas de diversidade (Marc Bruxelle/EyeEm/Getty Images)
Dia do Orgulho LGBTQIA+: empresas com ações e campanhas de diversidade (Marc Bruxelle/EyeEm/Getty Images)
Por Maria Clara DiasAllan Gavioli

Publicado em 28/06/2022 às 06:00.

Última atualização em 28/06/2022 às 18:23.

Nesta terça-feira, 28, é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, data que tem como objetivo principal conscientizar a população sobre a importância do combate à homofobia para criar uma sociedade livre de preconceitos.

Entre as empresas que prepararam ações na data — e durante todo o mês de junho — para a conscientização de funcionários e consumidores está a plataforma de streaming Spotify. Em celebração ao mês do Orgulho LGBT, a empresa preparou uma experiência digital para que usuários do app possam medir a diversidade em suas playlists musicais. O projeto, chamado de Aumente o Volume do Seu Orgulho, busca conscientizar os ouvintes sobre o consumo de músicas de artistas LGBT e procura aumentar a representatividade.

Depois da medição, os usuários recebem sugestões e dicas para criar uma playlist personalizada com produções de artistas e criadores LGBTQIA+, de olho na diversidade.

Em junho, uma pesquisa da Human Rights Campaign (HRC), do Instituto Mais Diversidade e do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ reconheceu empresas brasileiras com as melhoras práticas de inclusão para pessoas da comunidade LGBTQIA+ e as certificou como melhores lugares para esse público trabalhar. Entre elas estão Gerdau, 3M, Mondelez e Via. Conheça, abaixo, algumas das iniciativas dessas e de outras empresas durante o mês e Dia do Orgulho LGBTQIA+:

Via

Com o programa “Orgulho do Meu RG”, a Via, dona das marcas Casas Bahia, Ponto e Extra.com.br, permite que colaboradores trans retifiquem os documentos, mudando seu nome social. A iniciativa é realizada em parceria com a Ong Bicha da Justiça, especializada em direito LGBTQIAP+. Até o momento, ao menos 50 colaboradores da Via já foram beneficiados pelo projeto.

Durante o mês de junho, e empresa também lançou um banco de talentos exclusivo para pessoas LGBTQIAP+, com a intenção de facilitar a contratação e oferecer qualificação profissional.

Alcoa

A Alcoa, uma das três maiores empresas de alumínio do mundo, conta internamente com um grupo e um comitê regional de inclusão, uma união de colaboradores LGBTQIA+ para debate de temas envolvendo diversidade e boas práticas na empresa. A proposta é criar e promover uma cultura de respeito e valorização da diversidade, a partir de seminários temáticos e conteúdos educacionais. A empresa é também signatária do Fórum de Empresas e Direitos LGBTIA+.

Gerdau

A Gerdau investiu na criação de um banco de talentos LGBTIA+, um conjunto de profissionais em busca de oportunidades no mercado e que deve servir de guia para os líderes e funcionários do setor de recursos humanos da empresa.

Do lado das iniciativas, a Gerdau permite a alteração de nome social dos funcionários em todos os sistemas internos, como e-mails e crachás, além de campanhas de comunicação, educação e assessoria jurídica para colaboradores. A empresa também decidiu estender seus benefícios corporativos ligados à parentalidade para casais homoafetivos.

3M Brasil

A empresa cirou um grupo de afinidade LGBTIA+, formado por funcionários dispostos a apoiar a diversidade e disseminar as boas práticas de inclusão para criar um ambiente de trabalho interno respeitoso, seguro, saudável e igualitário.

Entre os programas estão iniciativas que apoiam o uso do nome social dos funcionários, licença-maternidade de 120 dias nos casos de adoção de filhos por casais do mesmo gênero e canais de denúncia internos dedicados ao tema da diversidade de pessoas LGBT.

A 3M Brasil é signatária dos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção dos Direitos LGBTIA+. Em 2022, apoiou a Parada LGBTIA+ de Campinas, em São Paulo, com patrocínio e incentivo para que seus funcionários e colaboradores participassem do evento.

LEIA TAMBÉM

Parada LGBTI+: o que as empresas patrocinadoras fazem pela comunidade

Apenas 8% das lideranças de empresas são LGBTI+, aponta estudo

Mondelez Brasil

A fabricante de chocolates oferece reembolso de 100% para hormonização, cobertura de processo de transexualização por plano de saúde da empresa e amparo jurídico na retificação de nome em documentos para pessoas trans. Na empresa, funcionários também têm treinamentos com foco em inclusão e comportamento, além de rodas de conversa e palestras. Na Mondelez, 7,4% dos colaboradores se autodeclaram LGBTQIA+, de acordo com uma pesquisa interna.

MBOOM

A marca de maquiagens FRAN by Franciny Ehlke, da fabricante MBOOM irá reverter 100% do lucro das vendas de produtos durante o dia 28 de junho. Os recursos serão destinados à ONG Casa Neon Cunha, que oferece abrigo e acolhimento à população LGBTQIA+ em situação de rua e violência. Além disso, os produtos também receberão novas embalagens nas cores da bandeira do orgulho, e formarão a edição limitada PRIDE.

Uber

Durante o mês do Orgulho LGBTQIA+, a Uber lançou uma campanha educativa contra a LGBTQIA+fobia. Em série de vídeos, o ex-lutador de boxe Popó fala sobre sua luta pessoal contra a LGBTQIA+fobia e compartilha seu aprendizado como pai de um homem homossexual. Com vídeos educativos para motoristas parceiros e usuários, o objetivo da iniciativa é alertar para comportamentos discriminatórios que não são tolerados na plataforma da Uber.

Os vídeos, desenvolvidos em parceria com a TODXS, organização sem fins lucrativos especializada na promoção da inclusão de pessoas LGBTQIA+, serão enviados pelo próprio aplicativo da Uber e estão disponíveis no Instagram da marca.

Cogna

A Cogna criou ações de letramento, com um curso que promove o debate sobre a diversidade para os mais de 21.000 colaboradores. Em suas metas ESG, assumidas publicamente durante o lançamento dos Compromissos Cogna por um Mundo Melhor, a empresa também se comprometeu a ter ao menos 1 terço de mulheres, pessoas negras e LGBTQIAP+ no conselho de administração.

Feira de empregabilidade LGBTQIA+

Para comemorar a data, a cidade de São Paulo terá um grande evento de contratação focada nesse público durante a manhã e parte da tarde desta terça-feira.

A startup Emprega Comunidades e a ONG G10 Favelas, lançam a primeira feira de empregos para o público trans, em Paraisópolis, comunidade localizada na zona sul da capital paulista.

Para Rejane Santos, fundadora do Emprega Comunidades, que hoje representa a maior empresa de captação e inclusão de profissionais da periferia no mercado de trabalho, incluir essa parcela importante da sociedade no mercado de trabalho é fundamental para que essas barreiras do preconceito possam cair por terra. “O compromisso vai muito além de abrir vagas voltadas a diversidade. Falta mudança de cultura e comportamento dentro das organizações”, afirma.

O feirão ‘Emprega LGBTQIA+ Diversidade Aqui’ acontecerá das 9h30 às 16h, no Pavilhão Social do G10 Favelas, em Paraisópolis. Serão realizadas rodas de conversa sobre mercado de trabalho e seus desafios, focando nas comunidades transgênero, travesti e não binária, ou seja, que não se identifica com nenhum sexo.

Segundo o presidente do G10 Favelas, Gilson Rodrigues, o movimento de integrar esse público precisa partir de todos, inclusive da favela. “Queremos levar o profissional da periferia para o mercado de trabalho. Independente de cor, gênero ou orientação sexual”, conclui.

O evento será presencial, mas os interessados também podem a transmissão através das redes sociais da Emprega Comunidades.