De Uber a assinatura: Localiza e Unidas querem mudar a forma de ter carro

A Localiza acaba de lançar a Meoo, um aluguel de longo prazo voltado a quem quer usar um carro, mas não quer lidar com certas burocracias

Duas das maiores empresas de aluguel de carros no Brasil anunciaram uma fusão, por meio de incorporação das ações da Unidas pela Localiza. A empresa resultante da fusão terá valor de mercado de 50,5 bilhões de reais e frota de quase 491.000 veículos – 336.000 no segmento de aluguel e 154.000 em frotas corporativas. 

As ações das duas estão entre as maiores altas da bolsa hoje. Apesar do cenário de negativo na bolsa, as ações da Localiza disparam 13,09%, após anunciar combinação de negócios com a Unidas, que avança 18% às 11h30.

Juntas, as empresas terão mais força de inovação. “As empresas terão mais capacidade de alavancar plataformas tecnológicas para aumentar a eficiência e ter maior impacto positivo na experiência dos clientes”, diz Luis Fernando Porto, presidente da Unidas, em coletiva com investidores sobre o negócio. 

Segundo Eugenio Mattar, diretor presidente e cofundador da Localiza, essa inovação dará às companhias uma diversificação maior em seus negócios, o que reduz o risco – dependentes do aluguel de carros e gestão de frotas, as empresas sofreram com a pandemia, que levou à quarentena e ao fechamento das lojas e agências de locação. “Queremos liderar o desenvolvimento do mercado de mobilidade”, diz Mattar. 

Na semana passada, a Localiza lançou a Meoo, um aluguel de longo prazo voltado a quem quer usar um carro, mas não quer lidar com certas burocracias. Criado para pessoas físicas e pequenas e médias empresas, a Localiza oferece um carro zero km, que pode ser customizado. O cliente não tem gasto com o pagamento de revisões, manutenção, regularização de documentos, seguro e imprevistos como sinistros, roubo ou apreensão e a economia pode chegar até 30% em relação ao carro próprio.

A empresa também tem o serviço Localiza Driver, voltado a motoristas de aplicativos como Uber e 99. No início da pandemia, a locadora deu descontos para que esses usuários conseguissem manter os carros. Esse segmento está aos poucos voltando ao normal, tanto no número de aluguéis quanto no preço. Em julho, cerca de 50% da queda em volume no aluguel para motoristas de aplicativos já havia sido recuperada. 

O risco da consolidação

A fusão é mais um movimento de consolidação desse setor, uma vez que a Unidas e a Locamérica se juntaram em 2018. Com mais essa transação, “as empresas terão ganhos de sinergia e escala, proporcionando uma vantagem competitiva interessante no pós-pandemia”, diz relatório divulgado pela EXAME Research.

O grande desafio do negócio é a aprovação pelo Cade. “Todavia, juntas são responsáveis por 15% do mercado de veículos vendidos no país e talvez tenha que enfrentar o lobby das montadoras e necessitará de autorização do Cade”, diz relatório divulgado pela Mirae.

As locadoras sofreram com a pandemia. A Localiza apresentou queda de 53% nos lucros do segundo trimestre do ano. Já a Unidas viu o lucro líquido recorrente praticamente desaparecer, para 1,7 milhão de reais, queda de 98%, com queda de 34% no Ebitda. A Localiza afirmou que já superou o pior da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, com a reabertura de suas agências de aluguéis e lojas de seminovos. Com a fusão, fica mais forte para a recuperação pós-pandemia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.