Localiza dispara 14% com fusão com Unidas; Ibovespa cai e perde os 96 mil

Dados da indústria europeia superam estimativas, mas medo de novas medidas de isolamento e incertezas econômicas pressionam bolsas globais

A bolsa brasileira fechou em queda nesta quarta-feira, 23, pelo terceiro dos últimos quatro pregões. No mercado, incertezas sobre a recuperação da econômica global somados aos temores sobre novas medidas de isolamento social em meio ao crescimento do número de casos de coronavírus ofuscaram os dados industriais que vieram acima do esperado na Europa e nos Estados Unidos. O Ibovespa, principal índice da B3, caiu 1,6% e encerrou em 95.734,82 pontos. A queda ocorreu em linha com as bolsas americanas, onde o índice Nasdaq e o S&P 500 tiveram respectivas perdas de 3,02% e 2,38%.

Localiza

Apesar do cenário de negativo nas bolsas globais, as ações da Localiza disparam 13,97%, após o anúncio de combinação de negócios com a Unidas, que avança 18,3%. Nos termos da operação, os acionistas da Localiza passariam a deter 76,85% da nova empresa, enquanto os da Unidas, 23,15%. “A Transação resultará na união de acionistas que são referência e têm longa experiência na indústria, na combinação de talentos para prover soluções inovadoras em mobilidade, na criação de um player com escala global”, afirma a Localiza em fato relevante.

Para Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos, a união entre as duas companhias tende a gerar uma sinergia positiva. "Há uma complementariedade muito interessante. A Localiza é referência em termos de eficiência no setor e a Unidas tem forte gestão de frotas", comenta. Apesar do otimismo no mercado, a fusão ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). "O Cade tem sido bem duro. A Movida vai ficar ter um concorrente muito acima dela. Mas não vejo preocupação para o crescimento das companhias, já que o setor ainda tem um potencial muito grande", afirma Esteter.

IRB

As ações do IRB Brasil sobem mais de 9,57%, após a companhia informar o resultado de julho. No mês, a companhia teve prejuízo líquido de 62,5 milhões de reais, mas o faturamento bruto ficou em 1,547 bilhão de reais, o dobro em relação ao mesmo período do ano passado. "É uma ação que está extremamente barata. O prejuízo já era esperado, mas o resultado veio acima das expectativas. O mercado precifica a perspectiva de geração de caixa futura", afirma Gustavo Bertotti, economista da Messem.

Big Caps

Com participação de cerca de 10% no Ibovespa, as ações da Vale subiram 2,23% e impediram que o índice caísse ainda mais. A alta, porém, foi insuficiente para compensar as perdas da Petrobras, do setor financeiro e da Ambev, que voltaram a ter um pregão negativo. Em linha com a desvalorização do barril de petróleo no mercado internacional, as ações preferenciais da Petrobras caíram 2,74% e as ordinárias 2,44%. Também atrelada ao preço da commodity, os papéis da PetroRio caíram 4,52%, figurando entre as maiores quedas do índice. Entre os grandes bancos, Itaú caiu 2,68%, Banco do Brasil, 2,08%, Bradesco, 2,36% e Santander 2,84%. As ações da B3 caíram 2,56% e as da Ambev, 2,81%.

Fed

Em sua segunda das três audiências que fará no Congresso americano nesta semana, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, voltou a falar sobre a necessidade de mais estímulos fiscais para que a economia americana não caia de vez no buraco. Porém, negociações sobre um novo pacote trilionário se arrastam há mais de um mês no Congresso, com republicanos e democratas longes de chegarem a um acordo. Com as eleições presidenciais se aproximando, investidores veem como cada vez mais distante a possibilidade de o estímulo ser aprovado.

PMI

Os índices de gerente de compras (PMIs, na sigla em inglês) industriais superaram as estimativas dos investidores na Zona do Euro, ficando em 53,7 pontos, acima dos 50 pontos que delimitam a expansão da contração da atividade. O destaque positivo ficou com o PMI industrial da Alemanha, que ficou em 56,6 pontos. Por outro lado, os PMIs compostos e de serviços ficaram abaixo das expectativas nas principais economias da Europa. Nos Estados Unidos, o PMI industrial também superou as projeções e o de serviços decepcionou, em mais um sinal de que a recuperação econômica segue lenta.

Segunda onda

O aumento do número de casos de coronavírus segue pressionando os mercados nesta quarta, enquanto os investidores ponderam os efeitos de novas medidas de restrição. “A aceleração de novos casos segue inspirando cautela, considerando os riscos de novas medidas de isolamento serem adotadas”, afirmam analistas da Exame Research em relatório.

IPCA

No Brasil, os investidores também avaliam o resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo dos 15 primeiros dias de setembro (IPCA-15), que voltaram a superar as estimativas dos investidores, apontando para inflação mensal de 0,45% ante 0,39% esperado. “Vale lembrar que tivemos a Semana do Brasil no início de setembro, que possivelmente impactou nos preços”, ressalta Arhur Mota, economista da Exame Research.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.