Negócios

Crédito do banco Mercedes-Benz a veículos cresce 15%

Quando se considera o número de operações de crédito, o crescimento foi de 17%, para 12.838 veículos financiados de janeiro a agosto

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h47.

São Paulo - O Banco Mercedes-Benz liberou R$ 2,3 bilhões em recursos para financiamento de veículos nos primeiros oito meses do ano, segundo balanço divulgado hoje pelo banco. A expansão foi de 15% na comparação com igual período do ano passado. Quando se considera o número de operações de crédito, o crescimento foi de 17%, para 12.838 veículos financiados de janeiro a agosto.

O diretor comercial do Banco Mercedes-Benz, Angel Martínez, atribui o resultado ao aquecimento da indústria automotiva e às promoções do banco, que em alguns modelos a taxa de juros cai a zero. Entre as linhas operadas pelo banco, o Finame manteve-se como o produto mais procurado, com 87% de participação. Foram liberados R$ 2 bilhões, um acréscimo de 33%. Nessa linha de crédito, o banco repassa recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), principalmente para financiar caminhões.

O CDC (Crédito Direto ao Consumidor) foi o produto com maior crescimento no período, com expansão de 104%. Foram financiados R$ 212,3 milhões. Já o Leasing registrou queda de 78%, passando para R$ 80,1 milhões. Com esse resultado, foi responsável por apenas 4% dos novos negócios do período. Esse produto perdeu espaço para o CDC nos últimos anos por conta das taxas mais atrativas do crédito direto. A carteira total de crédito do Banco Mercedes-Benz fechou agosto em R$ 6,6 bilhões, um crescimento de 22%.

Leia mais sobre Mercedes-Benz

Siga as últimas notícias de Negócios no Twitter

Acompanhe tudo sobre:AutoindústriaCréditoEmpresasEmpresas alemãsIndústriaIndústrias em geralMercedes-BenzMontadoras

Mais de Negócios

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Mais na Exame