Acompanhe:
seloNegócios

Coronavírus fecha maior produtor de preservativos e pode causar escassez

A malaia Karex Bhd fabrica um de cada cinco preservativos do mundo, mas há mais de uma semana não produz em nenhuma de suas três fábricas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Produção: teste com preservativo na fábrica da Karex em Pontian, 320 km de Kuala Lumpur (Bazuki Muhammad/Reuters)

Produção: teste com preservativo na fábrica da Karex em Pontian, 320 km de Kuala Lumpur (Bazuki Muhammad/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 27 de março de 2020 às, 17h03.

Uma escassez global de preservativos é iminente, alertou o maior fabricante mundial do produto, devido à interrupção causada pelo coronavírus que levou a suspender a produção.

A malaia Karex Bhd fabrica um de cada cinco preservativos do mundo, mas há mais de uma semana não produz em nenhuma de suas três fábricas na Malásia devido à interdição imposta pelo governo para deter a proliferação do vírus.

Isso já representa um déficit de 100 milhões de preservativos, normalmente comercializados internacionalmente por marcas como Durex, fornecidos por sistemas de saúde pública como o britânico NHS ou distribuídos por programas de ajuda como o Fundo de População das Nações Unidas.

A empresa recebeu permissão de retomar a produção nesta sexta-feira, mas só com 50% de sua mão de obra – uma isenção especial para indústrias essenciais.

"Levará tempo para fazer as fábricas voltarem à ativa, e teremos dificuldade para acompanhar a demanda com meia capacidade", disse o executivo-chefe Goh Miah Kiat à Reuters.

"Veremos uma escassez global de preservativos em todo lugar, o que será assustador", disse. "Minha preocupação é que, para muitos programas humanitários nas profundezas da África, a escassez não será só de duas semanas ou um mês. Essa escassez pode durar meses."

A Malásia é o país mais afetado do sudeste asiático, acumulando 2.161 infecções de coronavírus e 26 mortes. A interdição deve vigorar ao menos até 14 de abril.

Os outros países que são grandes produtores de preservativo são China, onde o coronavírus surgiu e provocou o fechamento generalizado das fábricas, e Índia e Tailândia, que só agora estão vendo uma disparada de infecções.

Fabricantes de outros itens críticos, como luvas médicas, também estão enfrentando percalços em suas operações na Malásia.

"O bom é que a demanda de preservativos ainda é muito forte porque, gostem ou não, ainda é algo essencial para se ter", disse Goh. "Dado que, a esta altura, as pessoas não estão planejando ter filhos. Não é a hora, com tanta incerteza."

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Últimas Notícias

Ver mais
Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas
Brasil

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas

Há uma semana

Lula fala com primeiro-ministro da Malásia e reitera interesse em parceria em semicondutores
Brasil

Lula fala com primeiro-ministro da Malásia e reitera interesse em parceria em semicondutores

Há 2 semanas

MG e SC contrariam Ministério da Saúde e não exigem carteira de vacinação para matrícula escolar
Brasil

MG e SC contrariam Ministério da Saúde e não exigem carteira de vacinação para matrícula escolar

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais