Carnaval de 2011 marca fim da crise para redes de hotéis

Taxa de ocupação retorna aos níveis anteriores à crise de 2008 e reservas foram feitas com mais antecedência

São Paulo – Os hotéis das principais cidades que promovem o Carnaval no Brasil têm bons motivos para comemorar. Os hotéis de Salvador, Rio de Janeiro, Recife e Olinda já estão com praticamente todas as reservas preenchidas. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), dos municípios em questão, neste ano, os foliões foram mais cautelosos e fizeram suas reservas com antecedência. “O movimento começou em outubro do ano passado e, em janeiro, alguns hotéis de Salvador já não tinham mais quartos disponíveis,”, afirma Silvio Pessoa, presidente da ABIH – Bahia e diretor geral da rede Sol Express.

Salvador possuiu cerca de 400 hotéis e 50.000 leitos, dos quais já não há mais nenhum disponível. De acordo com Pessoa, nos anos anteriores, na semana que antecede o Carnaval, ainda era possível encontrar opções de quartos. Neste Carnaval, as vagas acabaram três semanas antes. “O ano de 2009 foi fraco para a indústria hoteleira; no ano passado, já conseguimos recuperar parte dos prejuízos, mas, neste ano, estamos apagando de vez a crise de dois anos atrás”, afirmou. Os pacotes de hospedagem para o período na cidade variam entre 2.500 reais e 15.000 reais.

Dos 30.000 leitos oferecidos nas cidades pernambucanas de Recife e Olinda, já não se encontram quase nenhum. O Carnaval das cidades, tradicional por seus bonecos gigantes e pelos blocos que tocam marchinhas carnavalescas, frevo e maracatu, atrai cerca de 2,5 milhões de foliões por ano. Segundo Julio Cruz, presidente da ABIH – Pernambuco, os turistas têm buscado alternativas para conseguir curtir a festa. “Muitos ficam hospedados em cidades vizinhas, como Gravatá e Itamaracá, que estão se tornando cada vez mais conhecidas, como pontos turisticos do estado”, disse.

A cidade de Porto de Galinha, que fica a 70 quilômetros de Recife, também festeja o Carnaval com ocupação de mais de 90% de seus hotéis. De acordo com Brenda Silveira, gerente de marketing e vendas do resort Summerville Beach, em Porto de Galinhas, os 700 leitos disponíveis no hotel já estão ocupados. “Neste Carnaval, percebemos um movimento atípico, pois, nesse período, a taxa de ocupação do resort era em torno de 80%”. Além do hotel em Porto de Galinhas, a rede conta com mais dois hotéis em Recife, todos lotados para o feriado de Carnaval.


Março favorece setor

O fato de o Carnaval neste ano cair no mês de março, e não em fevereiro, como de costume, também favorece o mercado hoteleiro. Primeiro, porque prolonga a alta temporada de verão, que normalmente acaba depois do feriado de Carnaval e, segundo, porque dá fôlego para que as pessoas se recuperem dos gastos de fim de ano e do começo do ano  e possam planejar a viagem com mais tranquilidade e dinheiro no bolso.

Segundo Daniel Guijarro, diretor de vendas da rede Accor América Latina, as reservas, em todos os hotéis do grupo nos principais estados do Carnaval, acabaram 10 dias atrás. O destaque está na cidade do Rio de Janeiro, que, neste ano, vai receber mais turistas estrangeiros do que locais. “A cidade tem atraído mais gente de fora, devido aos Jogos Olímpicos que serão realizados em 2016. Ela vem se tornando cada vez mais popular em outros países”, afirmou

A ocupação hoteleira na capital carioca  para o Carnaval já ultrapassa os 95%. Alguns  bairros, como o Flamengo e o Centro,  estão com 99% dos quartos ocupados. Segundo Alfredo Lopes, presidente do ABIH – Rio de Janeiro, o fato da cidade  estar nos noticiários de todo o mundo como sede dos grandes eventos esportivos que vêm pela frente contribui para os altos índices de ocupação.

Apesar de menos popular, Minas Gerais também vem ganhando destaque nesta época do ano. De acordo com a Secretária do Turismo de Minas Gerais, o Carnaval nas cidades históricas, que inclui Sabará, Diamantina, Ouro Preto, Tiradentes, Mariana e São João del-Rei,  deve atrair cerca de 420.000 foliões neste ano, 120.000 a mais na comparação com o ano passado. O faturamento esperado para o feriado é de 28 milhões de reais. Já os hotéis estão com taxas de ocupação acima de 97%, cinco pontos percentuais a mais que em 2010.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.