Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Na pizza formada pela quantidade de beneficiários de planos de saúde do Brasil, a maior fatia - de longe - fica para os planos empresariais. Em dezembro do ano passado, eram 35,2 milhões de usuários dessa categoria, frente a 8 milhões de clientes do plano individual ou familiar. 

A Sami, startup de planos de saúde fundada em 2018, focou nesse dado e quis ir além: criou pacotes empresariais também para pequenas empresas e microempreendedores individuais.

“Já atendemos mais de 20.000 vidas em cerca de 10.000 empresas, muitas delas, MEIs”, diz o presidente da Sami, Vitor Asseituno. “Temos jornalistas, designers, programadores, motoristas de aplicativo e uma série de profissionais independentes. E também empresas maiores, de 30 a 800 vidas”.

Além de focar nessa gama de público, também olhou para a telemedicina - uma tendência fortificada pela pandemia. De acordo com pesquisa da Mordor Intelligence, o mercado de telemedicina está prestes a crescer dos atuais aproximadamente US$ 38 bilhões para US$ 168 bilhões em 2026. Além disso, 82% dos pacientes experimentaram a telemedicina pela primeira vez desde o início da crise sanitária.

Com a soma de planos empresariais para pequenos negócios e da telemedicina, a Sami se estruturou e cresceu. Lançou novos produtos e captou recursos. O último deles foi uma rodada de 90 milhões de reais na metade deste ano. 

Agora, com esse valor, está preparando três novos lançamentos:

  • Inauguração de uma nova clínica presencial, na Zona Leste de São Paulo
  • Plano com coparticipação para microempreendedores individuais
  • Entrada em novas cidades

A estratégia é bater os 100 milhões de reais em faturamento. 

Como a startup chega a um novo hospital 

Na Sami, cada cliente tem um médico de referência, que faz a consulta digitalmente. Se a pessoa acordou com uma enxaqueca, por exemplo, pode consultar diretamente com esse médico pelo aplicativo. 

Caso precise de um atendimento presencial, o cliente pode ir a uma unidade física da Sami dentro de hospitais de São Paulo. A primeira, inaugurada desde o início da operação da startup, fica na Beneficência Portuguesa de São Paulo. A segunda está sendo lançada agora, no hospital Santa Virgínia, no bairro Belém, na zona leste da capital paulista. 

A operação faz parte da estratégia de break-even anunciada pela Sami em sua última captação, de 90 milhões de reais, e de sua meta de dobrar o faturamento até o final do ano. 

“Cerca de 20% dos nossos pacientes são da zona leste”, afirma Asseituno. “Por isso, nos preocupamos e estamos investindo para estar nas regiões mais afastadas que necessitam desse acolhimento”.

A startup está em operação no Hospital Santa Virgínia desde julho, em período de implementação.  Agora, passa a operar oficialmente com uma equipe própria dedicada. São cinco consultórios. “Como a clínica é integrada ao hospital, há facilidade para fazer uma cirurgia lá mesmo. A integração com hospital facilita o atendimento”.

Como serão as novas modalidades de coparticipação

A média da mensalidade da Sami é de 400 reais. No começo da startup, não tinha plano de coparticipação. O primeiro passo nessa área foi com as empresas maiores, que aderiram a essa modalidade. 

Agora, a partir de dezembro, a startup está lançando a coparticipação também para os negócios menores e microempreendedores individuais. A ideia é deixar a mensalidade mais em conta, atraindo novos clientes para a startup. 

“A nossa aposta é que o plano de coparticipação seja o produto carro-chefe do negócio”, diz o presidente. “O mercado está indo para coparticipação, colocando todo mundo no mesmo pool e dividindo a conta. Tem quem receba a carteirinha e a usa achando que é tudo de graça, mas não é assim, porque acaba voltando para o consumidor no formato de reajuste anual. Não tem dinheiro infinito. A coparticipação coloca todo mundo na mesma página, é o futuro. Mesmo no Brasil, 50% dos planos empresariais já são com coparticipação. A conta precisa fechar para todo mundo”. 

Como está o plano de expansão da Sami 

O foco da Sami, por enquanto, tem sido a região metropolitana de São Paulo. Agora, a startup está entrando em duas novas cidades: Mauá e Diadema. 

Hoje, já estão em: 

  • Osasco
  • Guarulhos
  • Taboão da Serra
  • São Paulo
  • Santo André
  • Santo Antônio Paulista
  • Mauá
  • Diadema

“Queremos democratizar o acesso à saúde, e um dos fatores para isso é estar em novas cidades”, afirma Asseituno.

Empresa faz parte do ranking Negócios em Expansão 2023

A Sami foi uma das vencedoras do ranking EXAME Negócios em Expansão 2023, levantamento da EXAME e do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME), com suporte técnico da PwC Brasil.

A empresa ficou na quinta colocação na categoria de 30 a 150 milhões de reais, com um crescimento de receita líquida de 375,66%. Em 2021, a receita líquida foi de R$ 8 milhões. Em 2022, subiu para R$ 38 milhões.

Quer ser informado quando começarem as inscrições para o ranking em 2024? Clique aqui e deixe seus contatos

O ranking é uma forma de reconhecer os negócios e celebrar o empreendedorismo no país. Com gestões eficientes, análise de oportunidade, novas estratégias e um bom jogo de cintura, os executivos no comando desses negócios conseguiram avançar no mercado.

Neste ano, a lista traz 335 empresas de 22 estados, representantes das cinco regiões do país. Em relação ao ano anterior, o número de selecionadas representa aumento de 63%.

Veja os resultados:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Ele tinha uma missão: tirar o milkshake do lugar de coadjuvante. Agora, fatura R$ 210 milhões

seloNegócios

Ele tinha uma missão: tirar o milkshake do lugar de coadjuvante. Agora, fatura R$ 210 milhões

Há 15 horas

Justiça dos EUA aceita parte de pedido da Gol, que acusa Latam de tentar tomar aviões e pilotos

seloNegócios

Justiça dos EUA aceita parte de pedido da Gol, que acusa Latam de tentar tomar aviões e pilotos

Há 15 horas

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

seloNegócios

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do Magazine Luiza

Há um dia

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

seloNegócios

Stanley inaugurou a sua primeira loja no Sul do país. Qual é o modelo para abrir unidades da marca?

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas
EXAME Agro

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais