Negócios

Luiza Trajano, da Magalu, volta à lista de bilionários da Forbes

O retorno da executiva à lista acompanha a alta das ações do grupo varejista, hoje dono de marcas como KaBuM!, Netshoes, Época Comésticos, além da própria Magalu

Ex-mulher mais rica do país, Trajano tinha saído da lista em julho do ano passado após quedas de 90% das ações da empresa (Patricia Monteiro/Bloomberg/Bloomberg)

Ex-mulher mais rica do país, Trajano tinha saído da lista em julho do ano passado após quedas de 90% das ações da empresa (Patricia Monteiro/Bloomberg/Bloomberg)

A empresária Luiza Helena Trajano, do Magazine Luiza, voltou para o ranking de bilionários da Forbes. Segundo o índice em tempo real da publicação, Trajano tem uma fortuna estimada em 1,1 bilhão de dólares e está na posição 2435 na lista que reúne endinheirados de todo o mundo.

O retorno da executiva ao clube acompanha a alta das ações do grupo varejista, hoje dono de marcas como KaBuM!, Netshoes, Época Comésticos, além da própria Magalu. Desde o início do ano até a tarde desta quarta-feira, 1º de fevereiro, os papéis da companhia subiram 61,39% .

O crescimento, já em andamento nos primeiros dias de janeiro, ganhou um ritmo mais forte após a divulgação de notícias sobre inconsistências contábeis da Americanas no valor de R$ 20 bilhões.

Quem é Luiza Trajano

Hoje na cadeira de presidente do conselho de administração da Magazine Luiza, a executiva começou cedo a trabalhar na área de vendas, aos 12 anos, quando abriu mão das férias escolares para trabalhar. Tempos depois, aos 18 anos, ingressou na varejista, fundada pelos tios Luiza Trajano Donato e Pelegrino José Donato.

No grupo, passou por todos os departamentos: da cobrança à gerência, das vendas à direção comercial. Desde 1991, quando se tornou superintendente, começou uma ascensão para cargos mais estratégicos que culminou na presidência, ocupada por ela desde 2008.  

Luiza é também mãe de Frederico Trajano, CEO da companhia desde 2015. Atualmente, a varejista movimenta cerca de R$ 60 bilhões ao ano em vendas totais. 

Quando Luiza Trajano saiu da lista de bilionários da Forbes

Ex-mulher mais rica do país, Trajano saiu da lista da Forbes em julho do ano passado, quando as ações da Magalu perdiam mais de 90% do valor em relação ao pico de R$ 27,34 alcançado em novembro de 2020.

Na época, após o boom de crescimento e de digitalização do varejo nacional ao longo da pandemia, os investidores começaram a olhar para um cenário mais desafiador da economia e do próprio varejo. Como consequência, redirecionaram os investimentos para outros setores e também para a renda fixa.

O cálculo contabilizava o aumento da taxa de juros e a inflação, fatores que diminuem o poder de compra dos consumidores, e o aumento da concorrência com o avanço da Amazon, Shopee, entre outras gigantes asiáticas.

Quem são os 10 maiores bilionários brasileiros*

De acordo com a Forbes, o ranking de bilionários do Brasil é liderado por:

  1. Jorge Paulo Lemann e família - US$ 15,8 bilhões
  2. Eduardo Saverin - US$ 10,9 bilhões
  3. Marcel Herrmann Telles - US$ 10,7 bilhões
  4. Carlos Alberto Sicupira e família - US$ 8,7 bilhões
  5. Irmãos Safra - US$7,6 bilhões
  6. Lucia Maggi e família - US$ 7,0 bilhões
  7. Alexandre Behring - US$ 5,5 bilhões
  8. Jorge Moll Filho e família - US$ 5,3 bilhões
  9. Luciano Hang - US$ 4,8 bilhões
  10. André Esteves - US$ 4,9 bilhões

    (Os valores foram atualizados em 03/02)

LEIA TAMBÉM:

De botequeiro a empreendedor: ele fatura R$ 2,5 milhões com a venda de cachaça de jambu

Exact Sales compra Magic Write, startup que faz sites, blogs e anúncios com inteligência artificial

Startup com foco em crianças com autismo recebe aporte de mais de R$ 50 milhões

Escola de tecnologia de tricampeão brasileiro de robótica capta mais de R$ 23 milhões

Acompanhe tudo sobre:Bilionáriosluiza-helena-trajanoMagazine Luiza

Mais de Negócios

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Mais na Exame