Negócios
Acompanhe:

Ao montar e-commerces do zero, empresa de TI de SP fatura R$ 500 milhões e prepara expansão global

A paulistana FCamara é uma one stop shop de serviços de TI para grifes do comércio eletrônico e do mercado de saúde. Capitalizada, a empresa deve dobrar a receita em 2022

Fabio Camara, fundador da FCamara: após aquisição de startup no Reino Unido, meta é colocar os pés no México e nos Estados Unidos em 2023 (Divulgação/Divulgação)

Fabio Camara, fundador da FCamara: após aquisição de startup no Reino Unido, meta é colocar os pés no México e nos Estados Unidos em 2023 (Divulgação/Divulgação)

L
Leo Branco

6 de novembro de 2022, 08h06

Uma das principais consultorias em TI para o comércio eletrônico, com grandes clientes no portfólio como Via, Carrefour e Riachuelo, a paulistana FCamara é um negócio pouco conhecido mesmo no Brasil.

Agora, em meio a uma projeção de o negócio dobrar a receita e ultrapassar os 500 milhões de reais em 2022, a companhia anuncia a aquisição da RYoshiga, uma startup de Londres, e espera colocar os dois pés numa expansão para além da América Latina.

Na aquisição de 51% do capital da RYoshiga, focada em sistemas de geolocalização para fintechs e bancos, a FCamara investiu 6,7 milhões de reais. Em três anos, a previsão é de a operação movimentar 28 milhões de reais.

Assine a newsletter EMPREENDA e receba, gratuitamente, conteúdos para impulsionar o seu negócio!

O que faz a FCamara

O negócio da FCamara é o típico 'one stop shop' pretendido por 10 entre 10 empreendedores de tecnologia.

Grandes nomes do comércio eletrônico e, crescentemente, do setor de saúde, procuram a FCamara para cuidar de vários pontos da estratégia digital dos negócios. Alguns deles:

  • Definição da estratégia digital
  • Desenvolvimento de softwares
  • Construção de infraestrutura de redes
  • Consultoria de cibersegurança
  • Criação de ferramentas financeiras

Qual é a história da empresa

A história da FCamara começa em 2008 com Fabio Camara, profissional com três décadas na gestão de projetos de tecnologia.

Na lista estão a empresa global de outsourcing Stefanini, a varejista Casas Bahia e a gigante Microsoft.

A ideia de empreender veio da percepção de Fabio sobre erros em série cometidos pelas empresas na longa jornada da transformação digital — tema, inclusive, de mais de uma dúzia de livros escritos por ele sobre os desafios de profissionais de TI.

Por vezes, eram investimentos míopes em servidores sem a devida conexão à nuvem. Ou, em outras, a falta de soluções convenientes para um pagamento seguro no comércio eletrônico.

"Entendi haver espaço para uma consultoria capaz de replicar boas práticas e fazer o mercado inteiro do comércio eletrônico avançar", diz ele.

Como a FCamara cresceu

Por trás da atuação low-profile, montando tecnologias white label dentro do cliente, estão cases bem-sucedidos no portfólio da FCamara.

A companhia foi uma das primeiras criadoras de tecnologias para a Vtex, unicórnio desde 2020 com soluções para lojistas colocarem e-commerces no ar e habilitarem o pagamento online.

De lá para cá, colocou no ar sites de pioneiros do comércio eletrônico brasileiro, como a operação da varejista americana Walmart por aqui, e a tecnologia de pagamentos do comparador de preços Buscapé.

Em julho deste ano, a FCamara levantou 100 milhões de reais numa dívida conversível em ações estruturada pelo BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME).

Mesmo antes da capitalização, a empresa vinha numa toada de aquisições de negócios complementares.

Em 2020, a empresa comprou a Omnik, startup focada em tecnologia para transformar um e-commerce em marketplaces.

Para onde vai o negócio

No primeiro semestre deste ano, a FCmara adquiriu a Nação Digital, uma empresa de comunicação digital com software para geração de conteúdos persuasivos de vendas — o popular inbound marketing.

A conversa para a aquisição da RYoshiga, a partir de agora chamada FCamara UK, começou a partir do fato de o fundador da startup londrina, Raphael Yoshiga, ter sido funcionário da FCamara.

Por isso, tem "sangue laranja", como gostam de definir a si os mais de 1.300 funcionários.

O apelido, segundo Fabio, vem do fato de a cor laranja ser a primeira notada pelo olho. O 'sangue' decorre da importância desse líquido na troca de informações vitais pelo corpo.

"Queremos ter o mesmo impacto nos clientes, e sermos os primeiros a serem notados por ele", diz.

A simbologia do 'sangue laranja' passa pelo logotipo da empresa — uma gota de sangue com a letra F no meio —, e chega a batizar a Orange Ventures, um braço de venture builder com investimentos em mais de dez startups.

Até a aquisição da RYoshiga, a FCamara atendia clientes na América Latina e Portugal.

Nos próximos 12 meses, a meta é firmar mais duas aquisições e chegar também aos Estados Unidos e ao México.

VEJA TAMBÉM:

M&A nas fintechs: Nomad compra Husky para ampliar vida financeira global dos brasileiros
Alias, de Curitiba, capta US$ 100 milhões com tecnologia para acelerar financiamento de veículos
Grupo Boticário anuncia compra da Truss Professional e mira no mercado internacional
Após aporte de R$ 260 milhões, Cortex adquire Geofusion e amplia modelo de inteligência de dados