Airbus vê esperança no segmento de viagens de negócios

"As empresas estão ansiosas para voar novamente", disse o CEO da Airbus

O CEO da Airbus, Guillaume Faury, disse que está notando os primeiros sinais de retomada das viagens de negócios — segmento crucial da base de clientes que pode ajudar na recuperação da indústria da aviação após o pior tombo já visto.

“No início da crise, os profissionais que viajam a negócios ficaram em casa, trabalhando remotamente”, disse Faury em entrevista à Bloomberg Television em Berlim. “Um ano depois, as coisas estão mudando, as empresas estão ansiosas para voar novamente.”

Na semana passada, a Airbus adiou o plano de aceleração da produção, uma vez que a demanda das companhias aéreas permanece contida. Faury admite que a fabricante europeia de aviões ainda está no “olho do furacão”, mas confia que os negócios se estabilizaram em um patamar no qual a Airbus pode se beneficiar de uma recuperação ainda este ano.

O otimismo cauteloso de Faury também foi observado na Associação Internacional de Transporte Aéreo, que declarou na quarta-feira que enxerga sinais positivos a partir dos programas de vacinação ao redor do mundo. Faury explicou que a Airbus está administrando a situação atual lidando com cada avião e cada companhia aérea de maneira individual.

No setor privado, fica cada vez mais claro que será impossível manter a força de trabalho em casa por tempo indefinido. O CEO do Barclays, Jes Staley, disse na terça-feira durante o Fórum Econômico Mundial que o home office não é sustentável. O comentário dele foi repetido pela comandante da divisão de gestão de ativos e fortunas do JPMorgan Chase, Mary Erdoes, que disse no mesmo evento que a situação “parece estar se desgastando”.

“Um ano de crise deixou bem claro que viajar e encontrar parceiros de negócios é absolutamente essencial”, afirmou Faury. “Então, vai voltar.”

Faury também apontou sinais de demanda reprimida por viagens de lazer. Nas rotas que foram reabertas, o nível de reservas tem sido extremamente elevado, embora a velocidade de qualquer recuperação nesse segmento dependa da vacinação, acrescentou ele.

Enquanto a Airbus olha para o futuro com mais otimismo, sua rival americana Boeing divulgou na quarta-feira seu pior prejuízo anual, incluindo uma despesa de US$ 6,5 bilhões para adiar a estreia do gigantesco 777X até o final de 2023, com três anos de atraso em relação ao cronograma inicial.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.