Mundo

Vulcão de Fogo da Guatemala aumenta sua atividade explosiva

A erupção do Vulcão de Fogo, que já deixou 114 mortos, voltou a ter atividade explosiva com cinzas nesta terça-feira

Por conta do aumento da atividade vulcânica, não se descarta que nas próximas horas sejam registrados fluxos piroclásticos e é preciso estar atento aos deslizamentos de lavas (Luis Echeverria/Reuters)

Por conta do aumento da atividade vulcânica, não se descarta que nas próximas horas sejam registrados fluxos piroclásticos e é preciso estar atento aos deslizamentos de lavas (Luis Echeverria/Reuters)

E

EFE

Publicado em 12 de junho de 2018 às 15h28.

Guatemala-O vulcão de Fogo, cuja violenta erupção no último dia 3 deixou 114 mortos, aumentou nesta terça-feira sua atividade explosiva com cinzas que chegam aos 5 mil metros de altura.

O Instituto Nacional de Sismologia, Vulcanologia, Meteorologia de Hidrologia (Insivumeh) alertou que as explosões estão cheias de cinzas que podem cair nas comunidades de San Miguel Dueñas, Ciudad Vieja e Antigua Guatemala.

O Insivumeh acrescentou que as cinzas se deslocam até uma distância de 25 quilômetros ao noroeste e norte do vulcão, cujas explosões podem ser sentidas a 10 quilômetros de seu perímetro, e que as ondas de choque fazem balançar os telhados de algumas casas.

Devido ao aumento desta atividade, não se descarta que nas próximas horas sejam registrados fluxos piroclásticos e é preciso estar atento aos deslizamentos de lavas, disse.

O Insivumeh recomenda à Coordenadoria Nacional para a Redução de Desastres (Conred) monitorar a evolução da atividade no vulcão de Fogo, situado 50 quilômetros ao oeste da capital guatemalteca, sobretudo aos lahares pela tarde e noite.

Enquanto isso, habitantes e autoridades chegaram hoje à comunidade de San Miguel Los Lotes, denominada como "marco zero" pelo impacto da erupção, para avaliar se é possível continuar com os trabalhos de busca e resgate de corpos.

As chuvas torrenciais das últimas horas e os lahares na noite desta segunda-feira complicaram a situação nas áreas devastadas pela erupção, que além dos mortos deixou 197 desaparecidos e 1,7 milhão de afetados.

Os departamentos de Escuintla, Chimaltenango e Sacatepéquez, que foram os mais afetados, continuam sob alerta vermelho e em estado de calamidade pública desde o dia 3 de junho.

 

Acompanhe tudo sobre:Desastres naturaisGuatemalaMortesVulcões

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame