Mundo

Primeiro-ministro da Eslováquia baleado: o que se sabe até agora sobre o atentado

Robert Fico já expressou posições anti-imigração de muçulmanos e contra o casamento gay

Fico já havia sido premiê entre 2006 e 2010 e depois entre 2012 e 2018 (Balazs Mohai/Bloomberg)

Fico já havia sido premiê entre 2006 e 2010 e depois entre 2012 e 2018 (Balazs Mohai/Bloomberg)

Publicado em 16 de maio de 2024 às 06h46.

Última atualização em 16 de maio de 2024 às 15h53.

O primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, foi baleado nesta quarta-feira, Ele foi atingido enquanto cumprimentava pessoas em frente a um centro cultural comunitário na cidade de Handlova (a 180km da capital Bratislava), onde realizou uma reunião do governo.

Miriam Lapunikova, diretora do Hospital Universitário F D Roosevelt, em Banska Bystrica, onde Fico está internado, disse que o primeiro-ministro foi submetido a uma cirurgia de cinco horas com duas equipes para tratar de vários ferimentos por bala. Fico foi alvo de cinco tiros.

O quadro do premiê é "muito grave", mas estável, segundo um funcionário do hospital. Segundo informações divulgadas nesta quinta-feira pelo vice-primeiro-ministro, Tomas Taraba, o premiê já não corre mais risco de morrer. O presidente eleito, Peter Pellegrini, disse que Fico "já consegue falar", mas ainda está em estado crítico. Pellegrini disse também que pediu a suspensão da campanha para as eleições europeias de junho no país.

O que se sabe até agora

Vários disparos foram ouvidos antes de seguranças colocarem o premiê dentro de um carro que estava próximo. Fico foi levado de helicóptero ao hospital, e o suposto autor dos disparos, um homem de 71 anos, foi detido pela polícia.

Segundo a imprensa eslovaca, o atirador era um ex-segurança de um shopping center e membro da Sociedade Eslovaca de Escritores. O idoso já teria feito publicações contra imigrantes e pró-Rússia nas redes sociais.

Repercussão política

A presidente da Eslováquia, Zuzana Caputova, disse estar chocada com o ataque "brutal e implacável" ao primeiro-ministro. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, condenou o ataque, que chamou de "crime hediondo sem justificativa".

O primeiro-ministro tcheco, Petr Fiala, disse que a notícia é um "choque". A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse "condenar fortemente o ataque" -- a Eslováquia faz parte da União Europeia desde 2004.

Entre os líderes que condenaram o atentado também estão o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

Quem é Robert Fico

Robert Fico, de 59 anos, voltou ao poder na Eslováquia depois das eleições de setembro do ano passado, liderando uma coligação populista-nacionalista.

Seus primeiros meses como primeiro-ministro neste novo mandado se revelaram controversos. Em janeiro, mesmo sendo membro da OTAN, a Eslováquia suspendeu a ajuda militar à Ucrânia e, no mês passado, avançou com planos para acabar com a emissora pública RTVS.

Fico também já deu declarações condenando o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por esses casais. Em questões econômicas, ele implementou reformas que dão direito a aviso prévio, regras mais rígidas para horas extras e mais poder a sindicatos.

Ele já expressou posições anti-imigração de muçulmanos para o país e, em política externa, é visto como pró-Rússia e contra a instalação de bases militares dos EUA na Europa Central.

Durante a pandemia, na oposição, ele promoveu uma campanha de desinformação contra a Covid-19 e as vacinas, chegando a compará-las a armas biológicas.

Fico já havia sido premiê entre 2006 e 2010 e depois entre 2012 e 2018. Desta última vez, ele renunciou  ao ser pressionado pela oposição depois do assassinato de um jornalista que investigava  corrupção em seu governo.

Acompanhe tudo sobre:Eslováquia

Mais de Mundo

Varíola dos Macacos: EUA emite alerta para versão mais mortal da doença

Defesa de Trump espera desferir golpe na credibilidade de seu ex-advogado nesta quinta

Primeiro-ministro da Eslováquia 'consegue falar', mas segue em estado grave após ser alvo de tiros

Em Haia, África do Sul acusa Israel de escalar o 'genocídio' em Gaza para uma 'nova e horrenda fase'

Mais na Exame