Trump sinaliza mudanças na política espacial militar e civil

O primeiro ato da nova administração deve já ser dado nesta segunda-feira (23)

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seus assessores sinalizaram mudanças significativas nas políticas espaciais tanto para fins militares como civis. O primeiro ato da nova administração deve já ser dado na segunda-feira.

Em seu discurso de posse, Trump fez uma referência à promessa de exploração tripulada do sistema solar e disse que é o "nascimento de um novo milênio, pronto para desvendar os mistérios do espaço".

Nenhuma proposta específica sobre o setor espacial foi considerada por Trump, segundo fontes. Entretanto, durante semanas, seus assessores demonstraram interesse em planejar parcerias público-privadas que promovam a exploração tripulada do espaço.

Ao mesmo tempo, o general James Mattis, que foi confirmado pelo Senado como secretário da Defesa, sinalizou que as políticas espaciais militares estão passando por uma reavaliação.

Em comentários dirigidos a um painel do Congresso no mês passado, o general afirmou que "tanto a China como a Rússia vem desenvolvendo e testando uma variedade de armas anti-satélites que podem destruir ou deixar inoperantes as naves espaciais norte-americanas", uma ameaça aventada há anos pelo Pentágono e por membros das forças armadas.

"Precisamos assegurar que a disponibilidade, segurança e resistência de nossos ativos espaciais a todo o custo e em todas as fases de conflito", acrescentou. "Capacidades ofensivas devem ser consideradas para assegurar a sobrevivência das operações espaciais necessárias a nossos planos de guerra", afirmou o indicado para a Defesa.

Os comentários de Mattis sinalizam uma possível mudança na postura atual dos EUA, que tem evitado militarizar o espaço e também trabalhado para que outros países o façam. Até o momento, a ênfase do Pentágono tem sido em conseguir verba para "proteger" os futuros satélites de segurança nacional contra possíveis ataques, e não em publicamente advogar a construção de uma capacidade ofensiva contra satélites de outros países. Fonte: Dow Jones Newswires.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.