Sistema de visto dos EUA não deve funcionar tão cedo

O Departamento de Estado dos EUA não tem expectativa de que o problema que afeta a emissão de passaportes e vistos seja resolvido antes da semana que vem

	Passaporte dos Estados Unidos: mais de 100 especialistas dos setores público e privado tentam consertar o problema
 (Kat/Flickr/CreativeCommons)
Passaporte dos Estados Unidos: mais de 100 especialistas dos setores público e privado tentam consertar o problema (Kat/Flickr/CreativeCommons)
D
Da RedaçãoPublicado em 17/06/2015 às 19:36.

Washington - O Departamento de Estado dos Estados Unidos não tem expectativa de que um problema técnico que vem afetando a emissão de vistos no mundo, inclusive no Brasil, seja resolvido antes da semana que vem, disse um porta-voz nesta quarta-feira.

"Nosso Escritório de Assuntos Consulares continua tendo problemas com o sistema de vistos. É uma falha global e estamos trabalhando o tempo todo para corrigir", disse o porta-voz John Kirby em declaração à imprensa.

"Dito isto, apesar do trabalho duro, não esperem que o sistema esteja on-line antes da próxima semana." A Embaixada dos EUA no Brasil publicou em sua página na Internet um aviso de "dificuldades técnicas" e afirmou que as pessoas que tiveram suas entrevistas canceladas em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Recife "receberão um e-mail com os detalhes de como reagendar suas novas entrevistas".

Kirby disse que mais de 100 especialistas dos setores público e privado tentam consertar o problema e que não poderia dar mais detalhes sobre uma estimativa de prazo.

O departamento anunciou na sexta-feira que estava tendo problemas técnicos com os seus sistemas de passaporte e visto no exterior.

Uma autoridade do Departamento de Estado disse que o sistema de emissão de passaportes já estava funcionando e que os passaportes já estavam sendo novamente emitidos no exterior.

"Uma vez que os sistemas estejam totalmente operacionais, vamos trabalhar o mais rápido possível para colocar em dia o número de casos pendentes de vistos", afirmou o Departamento de Estado em mensagem on-line.

O departamento disse não acreditar que os problemas decorram de quaisquer questões de ameaças de cibersegurança.

Texto atualizado às 19h36