Shows na Venezuela marcam "combate cultural" entre Maduro e Guaidó

A oposição pretende arrecadar 100 mil dólares com o espetáculo. O grupo mexicano Maná e o cantor espanhol Alejandro Sanz são destaques do evento

Dois shows simultâneos marcam nesta sexta-feira uma nova disputa pelo poder na Venezuela, antes da arriscada aposta da oposição de conseguir a entrada de ajuda básica no país, apesar do bloqueio do governo de Nicolás Maduro.

Um grande evento que promete a presença de várias estrelas, organizado pelo bilionário britânico Richard Branson, está programado para a cidade de fronteira de Cúcuta com o objetivo de arrecadar ajuda para a Venezuela, que enfrenta uma intensa crise, que inclui escassez de produtos básicos e hiperinflação.

Do lado venezuelano, operários e soldados montavam um palco sobro o qual não se sabe quem deve se apresentar.

A 300 metros do local do show prometido por Branson, e com grande dispositivo militar, o governo preparava seu concerto, do qual foram divulgados apenas os lemas: 'Para a guerra, nada' e 'Hands off Venezuela' (Mãos fora da Venezuela).

Um cartaz mostra alguns dos artistas que atenderam o apelo do empresário britânico, fundador da Virgin, como o argentino Diego Torres, o colombiano Santiago Cruz e o grupo mexicano Maná.

O show Venezuela Aid Life é apoiado pelo líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por quase 50 países.

O encerramento do evento deve contar com as presenças dos presidentes da Colômbia, Iván Duque, do Chile, Sebastián Piñera, e do Paraguai, Mario Abdo.

Cúcuta aguarda o espetáculo que acontecerá do lado colombiano da ponte internacional de Tienditas e que pretende arrecadar 100 milhões de dólares em 60 dias.

O evento deve reunir pelo menos 250.000 pessoas, com participações dos colombianos Carlos Vives e Juanes, do dominicano Juan Luis Guerra, dos espanhóis Alejandro Sanz e Miguel Bosé, dos venezuelanos José Luis Rodríguez (El Puma) e Nacho, entre outros artistas.

"Se milhões de vocês se juntam por uma razão, o eco retumbará no mundo todo", disse o cantor Alejandro Sanz nas redes sociais.

A produção testou as câmeras aéreas para a exibição pela TV, enquanto operários preparavam os painéis com bandeira venezuelana e a palavra "liberdade".

Nas proximidades de Tienditas também estão 10 caminhões com os quais a oposição pretende transportar no sábado à Venezuela os alimentos, kits de higiene e remédios enviados pelos Estados Unidos a pedido de Guaidó para aliviar a crise.

O governo de Maduro alertou que não permitirá a passagem da carga, por considera a ajuda um pretexto para uma intervenção militar que Washington não descartou.

A ponte de Tienditas foi bloqueada por militares venezuelanos com contêineres e outros obstáculos.

Maduro, que nega qualquer crise humanitária, tentou responder a pressão.

Do lado venezuelano impera a incerteza, depois que o governo chavista apenas confirmou shows de sexta-feira a domingo.

Os produtores do evento na Colômbia afirmam que, apesar da proximidade, dificilmente o som de um show vai interferir no outro.

A lista de artistas que defenderão a mensagem do chavismo é incerta, assim como a presença de Maduro. Willie González, muito famoso nos anos 80, rejeitou o convite de Maduro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também