Mundo

Presidente do Equador pede "paciência" em negociação de ajuda e TLC com EUA

Guillermo Lasso viajou esta semana aos Estados Unidos para pedir um tratado de livre comércio (TLC) e que Washington divida a conta do combate à violência das drogas

O presidente do Equador, Guillermo Lasso (Gerardo Menoscal/Agencia Press South/Getty Images)

O presidente do Equador, Guillermo Lasso (Gerardo Menoscal/Agencia Press South/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 21 de dezembro de 2022 às 14h14.

Última atualização em 21 de dezembro de 2022 às 14h24.

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, viajou esta semana aos Estados Unidos para pedir um tratado de livre comércio (TLC) e que Washington divida a conta do combate à violência das drogas que atinge seu país.

Em entrevista à AFP, esclareceu, porém, que não chegou a "cobrar um cheque" e que conseguir o que procura "é um processo" que exige "paciência".

A seguir, um resumo da entrevista realizada na terça-feira, 20.

Você estima a luta contra o narcotráfico em US$ 5 bilhões. O presidente Joe Biden concordou em dividir o custo?

Existe um compromisso para apoiar o combate ao narcotráfico e ao crime organizado (...) Atingimos o bolso dos narcotraficantes, onde mais dói, por isso reagem com violência nas prisões, e como consequência nas ruas.

Estamos determinados a enfrentar isso, mas não podemos sozinhos, precisamos de cooperação internacional, não é um problema exclusivo do Equador (...) É justo dividir a conta.

Deram-lhe números?

É um processo (...) E não é um processo que a pessoa diz: 'Vou ao banco sacar um cheque e o cheque é desse valor e me pagam no dia tal'. Não. É um processo de cooperação.

Acha que é uma questão de dinheiro? Ou de mudança de estratégia?

Não é apenas uma questão de dinheiro, é uma questão de capacidade operacional, capacidade de manter a inteligência e ação coordenada das forças de segurança.

Você solicita um TLC com os Estados Unidos. Não acha que isso beneficiaria alguns produtos, como flores e bananas, mas prejudicaria outros?

Buscamos mais Equador no mundo e mais mundo no Equador porque 8 bilhões de habitantes no mundo são a grande oportunidade que o Equador tem de gerar empregos em nosso país. Mais bananas para o mundo é mais emprego no Equador, mais flores no mundo é mais emprego no Equador. E não estamos buscando um tratado apenas com os Estados Unidos, estamos perto de concluir um com a China. Ontem concluímos um com a Costa Rica, iniciamos negociações com a Coreia do Sul, estamos trabalhando com países como o Canadá.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Paciência"

O que os Estados Unidos disseram?

Assim como a questão da segurança, não é uma questão que se resolve em cinco minutos, é um processo (...) Há uma recepção favorável, mas temos de ter paciência.

O acordo com a China será assinado antes do final do ano?

Vai ser muito difícil.

A coalizão indígena Conaie, que tomou as ruas do Equador este ano, se opôs a um TLC com os Estados Unidos no passado. Agora não estaria se expondo a uma nova onda de protestos?

De jeito nenhum. Minha obrigação é defender o interesse da maioria dos equatorianos (...) Não devemos abordá-lo do ponto de vista da luta social ou de questões ideológicas, temos que ser absolutamente práticos.

Os Estados Unidos consideram a China seu rival estratégico...

O presidente Biden, na Assembleia Geral das Nações Unidas, (...) disse: 'Não quero uma guerra fria com a China, quero uma concorrência aberta e transparente'. Em uma reunião em fevereiro com o presidente Xi Jinping na China (...) ele me disse: 'Podemos trabalhar com o Equador sem condicionar politicamente os países que apoiamos'.

E a China nos apoiou na vacinação, na renegociação da dívida, na renegociação dos contratos de petróleo e nas negociações de um TCL.

A China é acusada de manter contratos não tão transparentes quanto os de outros países...

Todos os acordos que assinamos, de renegociação de dívidas e renegociação de contratos de petróleo são absolutamente transparentes.

Em relação à migração, Biden pediu ajuda para a deportação de migrantes a um país terceiro?

Não. Eu diria que [a migração] foi o tema que mais tomou tempo em nossa conversa. [Biden] me disse 'este é um país de migrantes'. Ele me disse [que] temos de fazer as coisas em ordem, não podemos desenvolver uma sociedade de forma caótica.

Tudo passa pelo comércio?

Não, acredito que o comércio e o investimento são uma forma de se relacionar de forma positiva, gerando oportunidades. Acho que se formos a um bar tomar um drink, ouvir uma música, provavelmente vamos nos divertir, mas não vamos resolver nenhum problema.

O que você leva de sua viagem?

Uma melhor compreensão das duas prioridades do Equador: combater a insegurança e desenvolver sua economia por meio da promoção do comércio.

Acompanhe tudo sobre:EquadorEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Fotos de ataque a Trump são usadas para vender bíblias e camisetas na Convenção Republicana

Biden é diagnosticado com Covid-19, diz Casa Branca

Aliança de esquerda anuncia candidato para presidir a câmara baixa do Parlamento francês

Eleições EUA: Biden diz que consideraria desistir de eleição se 'alguma condição médica' o obrigasse

Mais na Exame