Presidente colombiano viaja a Oslo para receber Nobel da Paz

Juan Manuel Santos, recebe o prêmio por seus esforços de pacificação de seu país, mergulhado em um conflito armado de mais de 50 anos

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, recebe no sábado, em Oslo, o Prêmio Nobel da Paz, por seus esforços de pacificação de seu país, mergulhado em um conflito armado de mais de 50 anos que causou 260.000 mortes.

Santos, 65 anos, é o primeiro colombiano e o sexto latino-americano a conseguir essa distinção que é concedida desde 1901.

Ele receberá na capital norueguesa uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de 8 milhões de coroas suecas(950.000 dólares).

O presidente colombiano já anunciou que doará esta quantia para ajudar às vítimas do conflito armado, que durante meio século enfrentou guerrilhas, paramilitares e soldadores regulares, deixando milhares de desaparecidos e mais de seis milhões de deslocados.

Santos receberá seu prêmio a partir das 10h00 (horário de Brasília) de sábado e depois se reunirá com o ex-secretário de Estado americano, Henry Kissinger, Nobel da Paz 1973, e com o ex-conselheiro do presidente Jimmy Carter, Zbigniew Brzezinski, premiado em 2002.

O anúncio da premiação aconteceu em 8 de outubro, apesar da inesperada derrota, cinco dias antes em um referendo, da aceitação do acordo assinado com grande pompa em 26 de setembro em Cartagena, entre Bogotá e a guerrilha das Farc.

Mas dentro e fora da Colômbia, o prêmio foi visto como um grande apoio ao processo de paz, apesar do revés na votação.

"Esperamos que isso incentive todas as boas iniciativas (...) no processo de paz e proporcione finalmente a paz à Colômbia depois de décadas de guerra", explicou na ocasião a presidente do Comitê Nobel norueguês Kaci Kullmann Five.

A partir de então, guerrilha e governo decidiram manter um cessar-fogo bilateral e fazer ajustes e mudanças o acordo negado, a partir de centenas de propostas dos setores que votaram contra o pacto.

No final de novembro, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo colombiano selaram um acordo novo e "melhor que o anterior", segundo expressão do próprio Santos.

De fora do prêmio

O Nobel da Paz foi concedido unicamente a Santos e o comitê norueguês, conforme a tradição, não quis explicar por que não premiou também as Farc, como aconteceu em processos de paz anteriores.

"Um prêmio para as Farc provavelmente teria sido mal recebido por quem é cético em relação ao processo de paz", opinou o então diretor do Instituto de Pesquisas sobre a Paz de Oslo (Prio), Kristian Berg Harpviken.

Santos, implacável em sua ofensiva contra as Farc quando era ministro da Defesa do presidente Alvaro Uribe - grande opositor hoje ao acordo com a guerrilha - optou pela saída política para o conflito desde que assumiu a presidência do país em 2010.

Antes da cerimônia de entrega do prêmio, Santos se reunirá com os reis da Noruega, Harald e Sonia, e, no domingo, manterá vários encontros, entre os quais com a primeira-ministra Erna Solberg, e assistirá um show em sua homenagem do colombiano Juanes e do britânico Sting.

O dirigente presenteará os reis com uma escultura que simboliza a paz, da artista Ana González Rojas, segundo explicou a primeira-dama María Clemencia Rodríguez de Santos.

O Nobel da Paz recompensa, segundo vontade expressada em testamento de Alfred Nobel (1833-1896), "a personalidade ou a comunidade que tenha contribuído mais ou melhor para a aproximação dos povos, a supressão uo redução das armas, e a propagação de progressos a favor da paz".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.