Mundo

Por aliança, Alckmin 'sacrifica' candidatos

O PSDB pretende abrir mão de candidatura nas eleições municipais do ano que vem em algumas das principais cidades da região metropolitana em favor de partidos aliados

Em troca, Geraldo Alckmin, que articula em São Paulo a política de alianças do PSDB para o pleito de 2012, espera receber o apoio de siglas como PSB, PP, PTB e PDT (José Luis da Conceição/Governo de SP)

Em troca, Geraldo Alckmin, que articula em São Paulo a política de alianças do PSDB para o pleito de 2012, espera receber o apoio de siglas como PSB, PP, PTB e PDT (José Luis da Conceição/Governo de SP)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de novembro de 2011 às 09h23.

São Paulo - Ainda sem nome definido para a disputa na capital paulista, o PSDB pretende abrir mão de candidatura própria nas eleições municipais do ano que vem em algumas das principais cidades da região metropolitana em favor de partidos aliados. Em troca, o governador Geraldo Alckmin, que articula em São Paulo a política de alianças do PSDB para o pleito de 2012, espera receber o apoio de siglas como PSB, PP, PTB e PDT ao candidato tucano à Prefeitura paulistana.

Os tucanos admitem abrir mão da cabeça de chapa em três prefeituras do ABC e em Campinas. A articulação promovida por Alckmin mira também, no médio prazo, a construção de uma coligação que possa facilitar sua reeleição ao Palácio dos Bandeirantes em 2014.

A disposição do governador paulista em ceder a cabeça de chapa na campanha para importantes cidades da região metropolitana ficou clara quando ele sinalizou um possível apoio à candidatura do deputado Jonas Donizette (PSB), em Campinas. O pedido de aliança foi feito pessoalmente a Alckmin pelo presidente do PSB, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. O tucano condicionou o apoio a Donizette a uma coligação PSDB-PSB em São Paulo. A se confirmar o cenário desenhado, o partido pode também acabar sem candidato em Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul.

O PSDB negocia o apoio, em Santo André, à reeleição do atual prefeito, Aidan Ravin (PTB), mas enfrenta resistência dos tucanos da região, que preferem o vereador Paulinho Serra (PSDB).

São Bernardo do Campo

Mas é em São Bernardo - maior cidade do ABC - que o diretório local do PSDB deve impor mais dificuldade ao plano do governador. O deputado estadual Orlando Morando, candidato tucano à prefeitura em 2008, é o nome natural do partido para 2012. Alckmin, contudo, cogita apoiar a campanha do também deputado Alex Manente (PPS).

O atual prefeito, Luiz Marinho (PT), deve concorrer à reeleição. Os tucanos alegam que a gestão de Marinho é mal avaliada pela população de São Bernardo, mas admitem que o prefeito será ajudado pela considerável força política de Lula - o ex presidente é amigo de Marinho e cogita lançá-lo como candidato ao governo paulista em 2014 contra Alckmin. As pesquisas internas do PSDB, hoje, apontam Marinho, Morando e Manente em empate técnico, com cerca de 26% dos votos cada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasEleiçõesGeraldo AlckminGovernadoresMetrópoles globaisOposição políticaPartidos políticosPolíticaPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPrefeiturasPSDBsao-paulo

Mais de Mundo

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

Detentos na Venezuela suspendem greve de fome

Líderes do G7 ampliam discussão para migração e países do Sul

Fiéis muçulmanos iniciam grande peregrinação na cidade saudita de Meca

Mais na Exame