Polícia e tropas estão em estado de alerta na Criméia

Ministro interino do Interior da Ucrânia ordenou que a polícia e as tropas subordinadas que se encontram na Crimeia fiquem em estado de alerta

Kiev - O ministro interino do Interior da Ucrânia, Arsen Avakov, ordenou nesta quinta-feira que a polícia e as tropas subordinadas ao seu ministério que se encontram na república autônoma da Crimeia fiquem em estado de alerta, depois que um grupo armado tomou as sedes do Parlamento e do governo autônomo da região durante a madrugada.

"Foram colocados em estado de alerta todos os efetivos da polícia e as tropas do Interior", escreveu Avakov em seu perfil do Facebook.

O responsável do Interior informou que as sedes do Parlamento e do governo da Criméia em Simferopol, a capital da região autônoma, foram tomadas por um grupo de homens armados com fuzis automáticos e metralhadoras.

Acrescentou que os edifícios ocupados foram isolados pela polícia e que "serão tomadas outras medidas para impedir o desenvolvimento de ações extremistas e que a situação leve a um enfrentamento armado no centro da cidade".

"Os provocadores estão agindo. É a hora de ter cabeça fria, de consolidar as forças sãs e de dar os passos precisos", comentou Avakov.

A porta-voz do governo da Criméia, Violetta Lisina, confirmou que durante a madrugada, por volta das 4h30 locais (23h30 de Brasília da quarta-feira), um grupo de cerca de 30 pessoas ocupou a sede do Executivo.

Os homens que tomaram a sede governamental, acrescentou Violetta, permitiram que os policiais que estavam no interior do edifício saíssem com suas armas.

Segundo a porta-voz, o primeiro-ministro da Criméia, Anatoli Moguiliov, se dirigirá hoje pela televisão à população da região autônoma.

O deputado da Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia e dirigente da minoria tártara da Criméia, Refat Chubarov, fez um pedido para que os cidadãos mantenham a calma e a não interfiram no trabalho das forças policiais.

"O desocupação dos edifícios é competência dos profissionais, das forças da ordem", citou o legislador o site "ZN.ua".

Simferopol foi ontem cenário de manifestações pró-Ucrânia e pró-Rússia, que ocorreram nos arredores da sede do Parlamento autônomo, onde aconteceram alguns incidentes e uma pessoa morreu de um ataque cardíaco.

A península da Criméia, banhada pelo Mar Negro, conta com 2 milhões de habitantes, dos quais quase 60% são russos, 25% ucranianos e 12% tártaros.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.