Países ricos compraram doses para vacinar 3 vezes a população

Nove em cada dez pessoas em 67 países pobres, por outro lado, não receberão vacina em 2021; fosso pode dimuinuir com posse de Joe Biden

A Aliança da Vacina do Povo, coalizão de seis organizações internacionais, como a Oxfam e a UNAids, calcula que os países ricos compraram doses suficientes para imunizar toda sua população três vezes até dezembro de 2021, se todos os estudos clínicos em realização forem bem sucedidos.

A vacinação pode acelerar a recuperação da economia global. Saiba como ficam seus investimentos

Países que representam 14% da população mundial compraram o equivalente a 53% das vacinas mais promissoras, ainda segundo o grupo.

Só o Canadá se comprometeu com a compra de doses suficientes para vacinar cinco vezes sua população. Enquanto isso, 9 em cada 10 pessoas em 67 países pobres não serão vacinadas até o fim de 2021. "Não é uma surpresa que as nações ricas busquem vacinar suas populações primeiro", afirma Ian Bremmer, fundador da consultoria Eurasia Group.

A esperança para os demais, segundo ele, está no Covax Facility, o consórcio internacional que busca acelerar o desenvolvimento de vacinas contra covid-19 e viabilizar uma distribuição equitativa. "Imagino que Joe Biden colocará os EUA nas iniciativas da Covax, o que será positivo, mas ainda assim os países em desenvolvimento vão demorar mais para fazer a vacinação", afirma.

O presidente Donald Trump não quis se unir à aliança internacional Covax, criticou a Organização Mundial de Saúde (OMS) e retirou os EUA do órgão. Na semana que passou, assinou uma ordem executiva para priorizar a vacinação de americanos antes da exportação de vacinas -- apesar de autoridades não conseguirem explicar qual será o efeito prático disso.

Já o presidente eleito, Joe Biden, prometeu recolocar os EUA nos fóruns multilaterais e discutir uma resposta global à pandemia, mas o tamanho da crise doméstica e os desafios de logística e distribuição da vacina devem dominar sua agenda após a posse, em 20 de janeiro.

Dois meses depois da declaração do surto de coronavírus como pandemia mundial pela OMS, o governo Trump criou um grupo de trabalho que reúne integrantes de nove agências e departamentos em parceria com o setor privado para acelerar a compra, o desenvolvimento e o planejamento de aplicação das vacinas.

Os EUA vivem uma nova onda de contágio de covid-19, que tem obrigado governadores e prefeitos a impor novas medidas restritivas ao comércio e à população. Na sexta-feira, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, anunciou que os salões internos de restaurantes da cidade de Nova York precisarão ser fechados novamente. Cuomo reconheceu que a decisão trará mais dificuldades ao ramo e pediu aos congressistas federais que consigam um pacote de ajuda aos empresários.

O estado foi o epicentro da primeira onda de contaminação nos EUA em abril. No total, mais de 294 mil pessoas morreram no país desde o início da pandemia em razão do coronavírus. O mundo contabiliza mais de 1,5 milhão de mortes por covid-19, em meio a nova onda de contágio. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.