Países pressionam Irlanda a aumentar impostos

Dublin alertou ontem às autoridades da UE que sua soberania fiscal será preservada

Dublin - A Irlanda aceita a criação de um “fundo de contingência” pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela União Europeia (UE) para resgatar seus bancos, permitindo ao mercado respirar aliviado e reconhecendo que sua crise apenas será resolvida com a ajuda externa. Porém, a disputa agora ficará em torno das condições que estão sendo impostas ao país. França e Alemanha exigem que, em troca do dinheiro, a Irlanda eleve seus impostos. Dublin alertou ontem às autoridades da UE que isso “não é negociável” e que sua soberania fiscal será preservada. 

A elevação da carga tributária foi um dos pontos do acordo que a Grécia assinou com a UE em maio, para receber o seu pacote de resgate. A alta acabou levando centenas de empresas a deixarem o país, além de levar centenas de pessoas às ruas de Atenas. Agora o assunto promete acalorados debates nos próximos dias de negociações. 

Ontem, a UE já alertou, nas reuniões a portas fechadas com o governo irlandês, que os impostos de 12,5% são os mais baixos da UE e não podem continuar assim. A taxa atual seria apenas metade do que uma empresa paga para se instalar na Alemanha, o que para muitos na Irlanda explicou a expansão da economia nos anos 1990 e no início desta década. 

Para a UE, o que a Irlanda faz, porém, é uma guerra fiscal que agora cobra seu preço. Multinacionais como a Google e a Dell se estabeleceram na Irlanda com acordos praticamente de isenção de impostos. O ministro de Finanças, Brian Lenihan, se recusa a falar do assunto e diz que os níveis de impostos fazem parte de uma política industrial. “Isso é algo fundamental para nossas perspectivas de crescimento.” O que a Irlanda promete é apresentar um programa de cortes de gastos de 15 bilhões de euros no início de dezembro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.