OMC: comércio mundial deve crescer 6,5% em 2011

Previsão representa um retrocesso em relação ao recorde do ano passado, quando o comércio subiu 14,5%

Genebra - O crescimento do comércio global em 2011 será de 6,5%, o que sinaliza um retrocesso em relação ao recorde de 14,5% registrado em 2010, segundo os últimos dados revelados nesta quinta-feira pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

Os economistas do organismo que rege o comércio mundial estimam que o aumento do volume do comércio registrado em 2010 levará neste ano voltar os números de volta aos níveis prévios à crise, mas a previsão é de que a tendência a longo prazo ainda não foi recuperada.

Além disso, há bastante incerteza sobre qual será impacto no comércio de recentes eventos como as revoltas no Oriente Médio, o aumento do preço dos alimentos e das matérias-primas e o terremoto seguido de tsunami no Japão.

No entanto, se o crescimento de fato atingir 6,5%, será maior que o aumento médio anual de 6% registrado entre 1990 e 2008, quando a crise econômica mundial abalou os mercados.

Os economistas consideram que a alta de 14,5% - número anual mais alto desde que se iniciou a atual série de dados em 1950 - se viu impulsionada por uma recuperação de 3,6% da produção mundial.


Esses números se referem ao crescimento do comércio mundial em volume, ou seja, ao comércio em termos reais, ajustado para levar em conta as variações dos preços e das taxas de câmbio.

O relatório "O Comércio Mundial em 2010 e Perspectivas Para 2011" indica também que as "pressões protecionistas" ainda não desapareceram totalmente e que podem reaparecer por causa do elevado desemprego das economias desenvolvidas e das estritas medidas de austeridade econômica na Europa.

A respeito de 2010, as economias desenvolvidas registraram um crescimento de 12,9% das exportações, em comparação com um aumento médio de 16,7% nos países em desenvolvimento. No ano passado, só as exportações da China aumentaram 28,4%.

Por sua vez, as vendas para o exterior dos Estados Unidos cresceram 15,4%, as da União Europeia foram de 11,4%, e as da América do Sul e Central combinadas subiram 6,2%.

A participação combinada das economias em desenvolvimento e da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) - países da antiga União Soviética - nas exportações mundiais passou a 45%, número mais alto já registrado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.