Mundo

Obama vai com Medvedev a um fast-food comer cheesebúrguer

Arlington, Estados Unidos - Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Dmitri Medvedev, pararam para almoçar nesta quinta-feira em um fast-food que serve hambúrgueres no sul de Washington, constatou um fotógrafo da AFP. Obama e Medvedev, que passaram grande parte do dia juntos durante as reuniões centradas na economia, voltaram à Casa […]

Presidentes dos Estados Unidos e da Rússia pararam em fast-food em Washington (AFP/Mandel Ngan)

Presidentes dos Estados Unidos e da Rússia pararam em fast-food em Washington (AFP/Mandel Ngan)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de junho de 2010 às 22h17.

Arlington, Estados Unidos - Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Dmitri Medvedev, pararam para almoçar nesta quinta-feira em um fast-food que serve hambúrgueres no sul de Washington, constatou um fotógrafo da AFP.

Obama e Medvedev, que passaram grande parte do dia juntos durante as reuniões centradas na economia, voltaram à Casa Branca na mesma limusine, seguindo a estrada Arlington (Virgínia), a cinco minutos do outro lado do rio Potomac.

O grupo escoltado pela polícia parou em frente ao "Ray's Hell Burger", especializado em hambúrgueres e carnes, onde os dois presidentes entraram.

Eles se sentaram à mesma mesa e pediram cheesebúrgueres: Obama escolheu o com cebolas, acompanhado de salada com tomates, picles e pepino, enquanto que Medvedev optou por uma versão mais codimentada com cebolas, pimentas verdes mexicanas e champignons.

Os dois líderes ainda dividiram uma porção de fritas. O americano bebeu chá gelado e o russo uma coca-cola, segundo os jornalistas que acompanharam os dirigentes no percurso.

Acompanhe tudo sobre:[]

Mais de Mundo

Coreia do Norte lança mais balões de lixo e Seul diz que tocará k-pop na fronteira como resposta

Com esgotamento do chavismo, Maduro enfrenta desafio mais difícil nas urnas desde 2013

Dinastia Trump S.A.: Influência de família em campanha sinaliza papel central em possível governo

Após mais de 100 mortes em protestos, Bangladesh desliga internet e decreta toque de recolher

Mais na Exame