Mundo

Morte de bin Laden não acaba com terrorismo, dizem especialistas

Professores brasileiros minimizam morte do líder da Al Qaeda e acreditam que terrorismo continuará com força

Segundo especialistas, a morte de Osama bin Laden não acaba com a Al Qaeda (Mario Tama/Getty Images)

Segundo especialistas, a morte de Osama bin Laden não acaba com a Al Qaeda (Mario Tama/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de maio de 2011 às 17h50.

Brasília – O mundo não será um lugar mais seguro após a morte de Osama bin Laden. A eliminação do líder da Al Qaeda “não traz paz ao mundo. Haverá retaliações”, prevê a historiadora Maria Aparecida de Aquino, da Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo).

Em sua opinião, a organização terrorista tem estrutura de rede e está “mais estruturada do que há dez anos”, quando ocorreu o atentado às torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York (Estados Unidos) e ao Pentágono, sede do Departamento de Defesa norte-americano.

Segundo a historiadora, a Al Qaeda “recebe recursos do mundo inteiro, funciona como uma máquina. Não é pouco inteligente, não se pode menosprezar”. Para ela, a organização continuará atuando, com a mesma rotina a qual já está habituada. “Nós vamos nos acostumar com outros nomes de terroristas”, prevê.

“Achar que [a rede terrorista] acabou porque Osama morreu é uma coisa tola. Os homens do Pentágono não vão cair nessa”, destacou Maria Aparaecida. Para ela, o maior impacto da morte de bin Laden se dará na política interna norte-americana já que o presidente Barack Obama, segundo estima, atingirá uma “popularidade incomensurável”.

Avaliação semelhante tem a professora do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Vânia Carvalho Pinto, cientista política especializada nos países do Oriente Médio.

Vânia pondera que a morte do terrorista tem apenas “importância simbólica” e que, com ela, Obama agora tem “um grande trunfo” junto a opinião pública americana. Ela, no entanto, não acredita que a eliminação do terrorista possa garantir a reeleição do presidente norte-americano no próximo ano. “A política vive do imprevisível”, disse.

Para o sociólogo Antônio Jorge Ramalho, também professor de Relações Internacionais da UnB, a morte de bin Laden foi apenas uma batalha em uma “guerra vencida” pelos terroristas. O professor lembra que os norte-americanos já gastaram mais de US$ 1 trilhão com a perseguição ao terrorismo e deverão continuar gastando muito dinheiro, pois é uma ameaça fora de controle. “Não se sabe quando e nem onde poderá ocorrer outra ação do inimigo”, disse, ao apontar que os Estados Unidos e outros países do Ocidente irão redobrar cuidados contra atentados nos próximos meses.

Ramalho não crê que os americanos, agora, diminuam o efetivo de militares no Paquistão, onde Osama bin Laden foi morto. “É um sistema político muito dinâmico. Não se sabe quem está no comando”. O sociólogo lembrou que o Paquistão tem armamento nuclear.

No mercado financeiro, a expectativa é de que não haja consequência, diferentemente do que ocorreu logo depois do atentado de 11 de setembro de 2001. “Lá atrás, houve uma ruptura, uma coisa nova que impactou a economia americana e criou incerteza”, rememora o economista Raphael Martello, analista internacional da empresa de consultoria Tendências.

Acompanhe tudo sobre:Al QaedaIslamismoOsama bin LadenPolíticosTerrorismoTerroristas

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame