Mundo

Modi comanda sessão de ioga em região indiana de maioria muçulmana

A Caxemira é a maior região muçulmana no país de maioria hindu

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi (AFP/AFP)

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 21 de junho de 2024 às 08h35.

Última atualização em 21 de junho de 2024 às 08h37.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, comandou nesta sexta-feira, 21, uma sessão de ioga para uma multidão na região da Caxemira, de maioria muçulmana, um ato que algumas pessoas interpretaram como uma mensagem política por parte do líder nacionalista hindu.

A sessão, que aconteceu em Srinagar, capital da região da Caxemira controlada pela Índia, marcou o 10º aniversário do Dia Internacional do Ioga, uma iniciativa da ONU promovida pelo próprio Modi.

Embora o ioga não seja uma prática religiosa em si, tem origem na filosofia hindu e muitos habitantes da Caxemira indiana, em sua maioria muçulmanos, são indiferentes a esta prática.

Milhares de funcionários públicos, professores e estudantes de toda Caxemira compareceram ao evento, que um morador de Srinagar considerou uma invasão cultural.

"Eles impõem o ioga aos nossos filhos para mudar culturalmente as próximas gerações e controlar suas mentes", declarou à AFP o morador, que pediu para não ser identificado por medo de represálias.

Depois da sessão, Modi pediu a centenas de pessoas, incluindo muitos policiais e membros das Forças Armadas que estavam às margens do lago Dal, que incluam o ioga como "parte de suas vidas cotidiana".

"Ioga estimula a força, a boa saúde e o bem-estar", disse o primeiro-ministro de 73 anos.

Em sua década como primeiro-ministro, Modi construiu uma imagem de defensor fervoroso da fé hindu majoritária no país. As suas posições preocupam as minorias, incluindo a comunidade muçulmana de mais de 200 milhões de pessoas.

Acompanhe tudo sobre:Narendra ModiÍndia

Mais de Mundo

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado

Serviço Secreto admite que rejeitou pedidos de Trump por mais agentes nos últimos dois anos

Paris 2024 descarta o uso de máscaras contra a covid-19, por enquanto

Com Itália envelhecida, projeto quer facilitar ida de imigrantes para trabalhar no país; entenda

Mais na Exame