Mundo

Milhares protestam na Coreia do Sul antes de encontro do G20

Autoridades aumentaram a segurança na semana de preparação para a chegada de 10 mil participantes

Reunião do G-20 na Coreia do Sul: autoridades estão preocupadas com a segurança (Getty Images)

Reunião do G-20 na Coreia do Sul: autoridades estão preocupadas com a segurança (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de novembro de 2010 às 14h59.

Seul - Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de Seul neste domingo em protesto majoritariamente pacífico contra o encontro do G20 desta semana. A cidade elevou o nível de alerta para a cúpula entre líderes mundiais.

Autoridades aumentaram a segurança na semana de preparação para a chegada de 10 mil participantes, incluindo 32 chefes de governo e líderes de organizações internacionais para o encontro que ocorre na quinta e sexta-feiras.

A Coreia do Sul está preocupada com o risco de violentos protestos anti-capitalismo --o que é comum em encontros envolvendo as mais importantes economias do mundo. Seul também teme que a rival Coreia do Norte possa tentar causar algum incidente para prejudicar a cúpula.

Forças de segurança foram postas em alerta máximo, mísseis antiaéreos já estão prontos para serem utilizados, rotas marítimas e aéreas estão sob grande vigilância e a supervisão no aeroporto foi reforçada.

As Forças Armadas sul-coreanas estão em alerta "Nível 3", o mais alto, e cerca de 50 mil policiais --mais de um terço do efetivo nacional-- aumentaram a patrulha desde sábado.

O evento deste domingo, que envolveu entre 20 mil e 40 mil manifestantes, foi visto como um teste do humor dos integrantes do protesto e como a polícia responderá ao problema.

Uma manifestação em massa acontecerá no primeiro dia do encontro, mas a localização exata ainda é desconhecida. As autoridades definiram uma área de segurança num raio de 2 km em volta do local.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaCoreia do SulGovernoOposição políticaRiqueza

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame