Mais de 300 são presos por formar rede de pornografia

Estas operações foram efetuadas após uma investigação de três anos na qual colaboraram autoridades de Espanha, México, Estados Unidos e Austrália

Washington -  A polícia de Toronto anunciou nesta quinta-feira a detenção de 348 pessoas em vários países e o resgate de 386 vítimas relacionadas com uma rede internacional de pornografia infantil e abuso sexual baseada na distribuição de vídeos através do correio e da internet.

Estas operações foram efetuadas após uma investigação de três anos na qual colaboraram autoridades de Espanha, México, Estados Unidos e Austrália.

As autoridades canadenses apresentaram 24 acusações contra o proprietário de uma empresa de Toronto, Brian Way, por fabricar, possuir, distribuir, exportar e vender imagens explícitas de crianças de idades compreendidas entre os dois anos e a adolescência, disse a inspetora policial de Toronto, Joanna Beaven-Desjardins.

As centenas de milhares de imagens encontradas mostram "atos horríveis de abuso sexual, alguns dos piores que os policiais jamais viram", declarou a inspetora em entrevista coletiva , segundo o jornal "Toronto Star".

A investigação foi concluída com 108 detenções no Canadá, 76 nos Estados Unidos e mais de 150 em outros países.

A investigação começou em outubro de 2010 com as suspeitas da polícia de Toronto sobre a companhia local Azovfilms.com, que cessou suas operações em 2011 e que era propriedade de Brian Way, de 41 anos.

Segundo a polícia, os vídeos foram editados, empacotados e vendidos no armazém de Way na cidade canadense, apesar de as imagens terem sido filmadas em muitos outros locais do mundo.

Durante os últimos três anos, investigadores de todo o mundo seguiram a pista dos suspeitos de fabricar e distribuir a pornografia infantil e seus clientes, por causa das mais de mil provas que acharam durante a batida na empresa e na residência de Way em 2011.

De acordo com as autoridades, a Azovfilms.com era um site sofisticado, com uma interface similar à do popular portal de vendas Amazon na qual os clientes podiam acessar listas dos "10 melhores" ou ler críticas de outros usuários.

Os clientes podiam pagar com cartão de crédito e eram assegurados que nenhum filme vendido ali violava a lei canadense ou americana, segundo o "Toronto Star". 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também