Macron: G7 está pronto para elevar sanções à Rússia sempre que necessário

Macron disse ainda que a pressão pelo Ocidente irá aumentar ainda mais
 (Getty Images/Chesnot)
(Getty Images/Chesnot)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 24/03/2022 16:02 | Última atualização em 24/03/2022 16:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que os Estados-membros do G7 estão prontos para aumentar as sanções contra a Rússia sempre que necessário. O líder afirmou que a transparência será priorizada na adoção das medidas.

Descubra qual MBA melhor se encaixa ao seu perfil e comece agora.

Macron disse ainda que a economia russa já está em default e que a pressão pelo Ocidente irá aumentar ainda mais. "Nossa estratégia é para cessar o conflito na Ucrânia o mais rápido possível", afirmou em coletiva à imprensa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

A contínua ajuda militar e humanitária à Ucrânia foi destacada por Macron, que pediu a seus aliados que garantam apoio humanitário aos refugiados.

Macron evita criticar a China

Após a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) advertir a China contra um apoio à ofensiva militar russa na Ucrânia, o presidente da França, Emmanuel Macron, evitou fazer críticas ao país asiático e se disse confiante de que Pequim defenderá a soberania territorial de Estados independentes.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 24, na sede da aliança, em Bruxelas, o líder francês afirmou que a China não é um assunto de responsabilidade da Otan, que é voltada para a segurança do Atlântico Norte. Macron acrescentou que pretende continuar em contato com o presidente chinês, Xi Jinping, para lidar com as questões importantes para a relação bilateral.