Jacinda Ardern se torna premiê mais popular da Nova Zelândia em um século

A primeira-ministra Jacinda Ardern registrou 59,5% de aprovação na primeira pesquisa pública desde o início da crise do coronavírus

Jacinda Ardern se tornou a primeira-ministra mais popular da Nova Zelândia em um século, mostrou uma pesquisa da empresa Newshub-Reid nesta segunda-feira, graças à sua reação à covid-19, que fez de seu país um dos mais bem-sucedidos na contenção da doença.

A primeira pesquisa pública desde que a crise do coronavírus se instaurou mostrou que a popularidade do Partido Trabalhista de Ardern aumentou 14 pontos e chegou a 56,5% – a maior de qualquer partido em toda a história.

Em contrapartida, a maior sigla do Parlamento, os Nacionais, perdeu 12,7 pontos e está com 30,6% de aprovação.

A enquete foi realizada entre 8 e 16 de maio, e metade das respostas foi obtida após a sanção do orçamento federal na quinta-feira.

Como premiê, Ardern apareceu com 59,5%, um aumento de 20,8 pontos em relação à pesquisa anterior e a cifra mais alta de qualquer líder na história dos levantamentos da Reid Research.

A enquete levou em conta o sentimento público nos últimos dias do rigoroso isolamento de nível três do país, que também teve apoio maciço – 92% dos entrevistados disseram ter sido a decisão certa.

A nação do Pacífico ficou confinada durante mais de um mês com restrições de “nível 4”, que foram reduzidas em um grau no final de abril. Ela continuou a impor medidas sociais rígidas a muitos cidadãos e negócios, ajudando a evitar uma disseminação comunitária generalizada do vírus.

Pontos comerciais como shopping centers, cinemas, cafés e academias reabriram na quinta-feira.

A ascensão estratosférica de Ardern como premiê mais jovem do país e a terceira mulher a ocupar o cargo levou os neozelandeses a cunharem a expressão “Jacindamania”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.