Irã alerta EUA para que não criem tensões por programa de mísseis

O ministro disse esperar que a "questão do programa de defesa do Irã não seja utilizada como um pretexto" para novas tensões

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Javad Zarif, alertou nesta terça-feira aos Estados Unidos para que não criem “novas tensões” por causa do programa de mísseis balísticos do Irã.

“Esperamos que a questão do programa de defesa do Irã[…] não seja utilizada como um pretexto” pela nova administração americana para “provocar novas tensões tensões”, declarou Zarif em coletiva de imprensa com seu colega francês, Jean-Marc Ayrault.

Na noite de segunda, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, denunciou o novo lançamento de um míssil balístico por parte do Irã e informou que tratará deste assunto com o presidente americano, Donald Trump, no encontro previsto para acontecer em 15 de fevereiro em Washington.

“O Irã lançou de novo um míssil balístico”, anunciou Netanyahu em sua página no Facebook, o que constitui – segundo ele – “uma flagrante violação da resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas”.

Em função da denúncia, o Conselho de Segurança da ONU se reúne de emergência nesta terça para discutir a questão, em reunião convocada pelos Estados Unidos depois de o embaixador de Israel na ONU ter pedido uma ação do Conselho.

A data do lançamento não foi informada.

Nos últimos meses, o Irã fez uma série de lançamentos de testes de mísseis. Hoje, Washington disse estar ciente da atividade.

Em reações na segunda-feira, tanto os Estados Unidos quanto os governos europeus consideraram o teste como uma violação dos compromissos do acordo nuclear de 2015.

Segundo os países ocidentais, os mísseis iranianos podem transportar ogivas nucleares. A República Islâmica insiste que seu programa balístico é totalmente defensivo e “não negociável”.

Israel se opôs ao acordo assinado entre o Irã e as principais potências mundiais, que garantem o uso civil do programa nuclear iraniano em troca da retirada progressiva das sanções internacionais.

“A agressão iraniana não pode ficar sem resposta”, advertiu Netanyahu em sua mensagem.

A Rússia foi o único país a reagir a favor do Irã a respeito do suposto teste de mísseis, ao afirmar que a reunião de emergência do Conselho de Segurança é uma “tentativa de envenenar a situação”.

“Estas ações, se ocorreram, não infringiram a resolução 2231” do Conselho de Segurança, segundo o vice-chanceler russo Serguei Riabkov, falando à agência Interfax.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.