Incidentes matam 14 no Paquistão após fala de políticos

Multidão avançou queimando veículos após o discurso. Em diversos bairros, tiroteios foram ouvidos a noite toda, e muitas ruas estão fechadas em Karachi

Karachi – Pelo menos 14 pessoas já morreram na quinta-feira em Karachi, maior cidade do Paquistão, em incidentes desencadeados por declarações de um importante político local.

Uma multidão enfurecida saiu pelas ruas causando distúrbios e queimando veículos depois que o ministro regional Zulfiqar Mirza, dirigente do Partido do Povo Paquistanês (PPP, governista), conclamou a população de Karachi e Hyderabad, segunda maior cidade da província de Sindh, a “se erguer… e se livrar” de um partido rival, o Movimento Muttahida Qaumi (MMQ).

“Apelo ao povo de Karachi especialmente, e de Hyderabad, que se erga por si mesmo, pelo Paquistão, por Karachi e por seus filhos inocentes, e que se livre desses amaldiçoados”, afirmou ele a jornalistas, referindo-se aos dirigentes do MMQ.

Em declarações transmitidas repetidamente pela TV, ele também acusou os mohajirs – descendentes dos falantes do idioma urdu que migraram da Índia – de serem ingratos com o lar que receberam com a criação do Paquistão, em 1947.

O ministro provincial do Interior, Manzoor Wasan, disse que 14 pessoas morreram e 25 ficaram feridas desde a noite de quarta-feira. Pelo menos uma pessoa foi morta em Hyderabad, segundo a polícia.

Vários protestos ocorreram em Karachi e outras cidades do Sindh, onde centenas de manifestantes queimaram pneus e imagens de Mirza, exigindo sua demissão do cargo de ministro provincial.

Em diversos bairros, tiroteios foram ouvidos a noite toda, e muitas ruas estão fechadas em Karachi.


Mirza depois recuou dos ataques verbais. “Minhas declarações ontem à noite foram minha visão pessoal, e não se destinavam a ferir os sentimentos de ninguém. Mas, se eu fiz isso, peço desculpas sinceramente”, declarou em nota.

Karachi, com 18 milhões de habitantes, tem um longo histórico de violência étnica, religiosa e sectária. Como capital comercial do país, qualquer distúrbio ali pode ter sérias consequências econômicas para o Paquistão.

Na semana passada, outros distúrbios étnicos e políticos na cidade já haviam deixado mais de cem mortos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.