Guaidó diz que não negociará para manter "violadores de direitos no poder"

O líder da oposição venezuelano avisou os presidentes do México e do Uruguai que só negociará quando todos estiverem de acordo com a "cessação da usurpação"

Caracas - O chefe do Parlamento e autoproclamado presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, disse nesta sexta-feira ao México e ao Uruguai que não participará de um diálogo que busque manter "violadores dos direitos humanos no poder" e reiterou que só está interessado em uma negociação que acorde a saída de Nicolás Maduro.

"Queremos expressar com firmeza que as forças democráticas, as instituições legítimas e muito menos o povo da Venezuela será partícipe de conversas e negociações cujo propósito é manter violadores de direitos humanos no poder pela via do engano", disse em carta publicada no Twitter.

Na carta dirigida aos presidentes do México e do Uruguai, Andrés Manuel López Obrador e Tabaré Vásquez, respectivamente, Guaidó ratifica que só estará interessado em uma negociação "quando esta estiver de acordo definitivamente com os termos da cessação da usurpação".

Uma negociação que, acrescenta, "permita a transferência efetiva do poder a representantes legítimos do povo venezuelano para iniciar um processo de transição que termine com a realização de eleições livres, nas quais seja permitida a participação de todas as forças democráticas de maneira justa e transparente".

Além disso, criticou a neutralidade dos representantes destes países ao dizer que neste momento ser "neutro é fazer o papel do lado de um regime que condenou centenas de milhares de seres humanos à miséria, à fome, ao exílio e inclusive à morte".

Guaidó convidou o México e o Uruguai, que levarão nesta sexta-feira uma proposta de diálogo diante da ONU para impulsionar uma solução para a crise venezuelana, a refletir e a se somar como "colaboradores" à exigência de "restituir a ordem Constitucional para iniciar um Governo de transição que leve" a um processo de eleições livres.

O autoproclamado presidente ressaltou que qualquer outra coisa que se distancie deste marco de negociação só agravará a crise.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.