Mundo

Grécia enfrenta 'maior incêndio de que se tem registro na UE'

Chamas já devastaram mais de 81 mil hectares, incluindo grande parte do Parque Nacional de Dadia

Grécia: país do leste europeu sofre com sucessiva onda de calor (Marina Rafenberg/AFP)

Grécia: país do leste europeu sofre com sucessiva onda de calor (Marina Rafenberg/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 29 de agosto de 2023 às 18h02.

O incêndio, declarado em 19 de agosto, já devastou mais de 81.000 hectares, incluindo grande parte do Parque Nacional de Dadia, ao norte da cidade de Alexandrópolis, indicou o observatório europeu Copernicus (EMS).

O incêndio florestal é o "maior de que se tem registro" na União Europeia (UE), advertiu, nesta terça-feira, 29, Balazs Ujvaril, um porta-voz da Comissão Europeia, braço executivo do bloco.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

O parque fica na região de Evros, na fronteira com a Turquia, e é conhecido por ser um importante hábitat de aves de rapina.

Segundo os bombeiros, três incêndios seguem sendo problemáticos e ainda precisam ser extintos. Ainda nesta terça, os serviços de Proteção Civil recomendaram a evacuação da cidade de Kotronia, perto de Dadia.

Durante a semana passada, inúmeras localidades da região tiveram que ser evacuadas pelo avanço das chamas.

Um total de 475 bombeiros com 100 veículos, seis aviões e quatro helicópteros estavam mobilizados nesta terça em Evros e Ródope, outra região afetada pelos incêndios. No total, a UE enviou 11 aviões e um helicóptero de sua frota para ajudar a extinguir as chamas, assim como 407 bombeiros, informou o porta-voz.

"Desastre ecológico"

O fato de a vegetação ser tão densa nessa região complica os trabalhos de extinção, já que as chamas nem sempre são visíveis.

Na semana passada, pelos menos 20 corpos carbonizados foram encontrados na área. A maioria eram imigrantes e, entre eles, havia duas crianças.

O parque de Dadia já havia sofrido um grande incêndio em 2011. "Tudo o que se regenerou desde então se perdeu" nos últimos dias, lamentou Dora Skartsis, uma das guardas florestais.

"Se levarmos em conta as zonas florestais queimadas pelo incêndio no sul de Evros, falamos de um enorme desastre ecológico. A imagem é trágica", assegurou a especialista, que dirige a Sociedade de Proteção da Biodiversidade da Trácia.

O parque natural de Dadia é vital para a economia local, porque sustenta as atividades florestais, apícolas e turísticas de Evros, um dos departamentos mais pobres do país.

Nesta terça-feira, as autoridades anunciaram medidas para reflorestar a região de Evros e o monte Parnitha, perto de Atenas, também devastado por outro incêndio nos últimos dias.

O ministro do meio ambiente, Theodoros Skylakakis, anunciou que as obras contra inundações nas regiões afetadas para evitar deslizamentos de terra com as primeiras chuvas do outono (primavera no Brasil) devem começar em breve.

Também ofereceu indenizações aos criadores de gado, agricultores e moradores que perderam suas casas.

Neste verão (inverno no Brasil), a Grécia está sofrendo com inúmeros incêndios, que o governo atribui às mudanças climáticas.

Mais de 120.000 hectares foram queimados até agora, segundo estimativas do Observatório Nacional Grego, três vezes a média anual desde 2006, de acordo com dados do Copernicus.

"É o verão mais difícil em termos de condições meteorológicas, o que torna o trabalho das autoridades (...) muito mais difícil", disse na segunda-feira o porta-voz do governo, Pavlo Marinakis.

Acompanhe tudo sobre:GréciaIncêndiosMudanças climáticasAquecimento global

Mais de Mundo

Reino Unido relança sua relação com a Europa em reunião de alto nível

Obama acredita que Biden deveria reconsiderar futuro de sua candidatura, diz jornal

Eleições nos EUA: Trump fará discurso às 21h09 e deve falar por 55 minutos na Convenção Republicana

Eleições Venezuela: Maria Corina Machado, lider da oposição, denuncia ataque; veja vídeo

Mais na Exame