Mundo

“Grande Buraco Azul”: o que foi encontrado no fundo da cratera misteriosa no Mar do Caribe?

Uma equipe de mergulhadores foi até as profundezas do buraco, a 274 metros de profundidade

Este buraco não é o único que existe no mundo, pois existem outros espalhados em diferentes oceanos (Getty Images/Reprodução)

Este buraco não é o único que existe no mundo, pois existem outros espalhados em diferentes oceanos (Getty Images/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 2 de fevereiro de 2024 às 11h20.

Última atualização em 2 de fevereiro de 2024 às 11h20.

O mundo está cheio de lugares naturais misteriosos, aqueles onde se passaram centenas de anos sem saber a sua criação ou a função que ali desempenham. Uma das maiores incógnitas da América Central é o “Grande Buraco Azul”, uma cratera no fundo do Mar do Caribe, que só em 2018 conseguiram decifrar o que estava escondido em suas profundezas.

Este buraco não é o único que existe no mundo, pois existem outros espalhados em diferentes oceanos, porém, este aqui é o segundo mais profundo, com 274 metros. Está muito perto da fronteira entre o México e Belize, em frente à Península de Yucatán. Navegar por suas águas gera vertigens e é fácil localizá-lo desde o ar, pois está cercado por pequenos acúmulos de terra e recifes de coral.

Na língua maia, “Grande Buraco Azul” é definido como Taam ja’ e Jacques Cousteau - em 1960 - foi quem o tornou famoso em todo o planeta. Embora nunca tenha ousado mergulhar lá dentro, seu neto, Fabien, e o bilionário proprietário do Virgin Group, Richard Branson, aceitaram a ideia de viajar até o fundo com um submarino.

Há seis anos foi feita a primeira exploração da cratera e o que encontraram no seu interior deixou-os perplexos. À medida que o navio avançava, a água foi ficando cada vez mais escura, até que se depararam com uma camada de sulfeto de hidrogênio. Depois disso, não houve mais vida bacteriana, de peixes ou algas.

O submersível avançou e descobriu algumas cavernas com estalactites, o que chamou a atenção dos cientistas, pois até então sempre se acreditou que elas só se formavam na superfície terrestre. Ao continuarem a viagem, chegaram a poucos metros do solo, mas não o tocaram. Lá eles avistaram uma garrafa de vidro de dois litros e uma câmera GoPro de turista. Isso expôs o nível de poluição nos mares e até onde o lixo pode chegar.

Porém, não foi a única coisa que encontraram na expedição. Para sua surpresa, dois corpos humanos apareceram. Presume-se que se tratavam de dois mergulhadores que não conseguiram emergir. Tanto Richard quanto Fabien informaram o governo de Belize sobre sua existência, mas decidiram mantê-los lá.

Como é o Grande Buraco Azul por dentro?

Segundo a revista Frontiers Marine Sciences, que publicou no dia 23 de fevereiro de 2023 um estudo sobre o que há dentro da cratera, bem como suas dimensões e outras curiosidades, detalhou que existem variações importantes em condições como concentração de oxigênio, química, temperatura e formações biológicas.

Taam ja' cobre uma área aproximada de 13.690 m2, suas laterais são quase verticais e formam uma “grande estrutura cônica”. A foz ou entrada está localizada 4,5 e 5 metros abaixo do nível do mar.

Ao contrário das trincheiras marinhas, que são formadas pelo movimento das placas tectônicas e podem medir até 11 mil metros de profundidade, os buracos azuis se formam lentamente devido à entrada e saída de água salgada no solo feito de rocha calcária.

O maior buraco azul do mundo está localizado em Sansha Yongle, na China. Tem uma profundidade de 300 metros e é conhecido como The Dragon Hole.

Acompanhe tudo sobre:Caribe

Mais de Mundo

'Todo mundo com Edmundo!': oposição esquenta campanha presidencial na Venezuela

Biden e Trump trocam ataques em atos de campanha

Muro 'anti-Haiti' vira bandeira eleitoral na República Dominicana

Grécia vai construir a maior 'cidade inteligente' da Europa, com casas de luxo e IA no controle

Mais na Exame