Governo chinês anuncia medidas para combater poluição

As autoridades chinesas anunciaram o maior controle das indústrias mais poluentes e que consomem mais energia

Pequim - O governo da China anunciou que vai tomar uma série de medidas para combater a poluição no país, entre elas o controle mais rigoroso das partículas poluentes mais perigosas para a saúde nas áreas urbanas, publicou neste sábado a imprensa local.

Em reunião do Conselho de Estado - o Executivo do país - presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, as autoridades chinesas anunciaram o maior controle das indústrias mais poluentes e que consomem mais energia.

Entre outras coisas, o governo chinês afirmou que vai suprimir o excesso de capacidade nas indústrias mais poluentes - como o aço, o cimento, o ferro e o alumínio - em um ritmo mais acelerado do que o previsto inicialmente no plano qüinqüenal. Também vai reduzir as emissões de alguns desses setores em um terço no prazo de quatro anos, para o final de 2017.

Em um momento de forte poluição, os governos locais deverão aplicar medidas de urgência, como restrições no trânsito das cidades e limites de emissões para as indústrias poluentes.

Será aumentada a oferta de energias mais limpas, como o gás natural, e não serão concedidas licenças de construção para os projetos que não cumpram com os requisitos ambientais.


Um comunicado emitido após a reunião afirmou que a poluição do ar, um dos maiores problemas do país e que adquire dimensões cada vez maiores, é uma situação que foi se acumulando ao longo do tempo, e por isso 'lutar contra a contaminação do ar é um projeto complicado e sistemático que requer esforços árduos e prolongados'.

Até agora, o progresso econômico chinês foi produzido em detrimento das condições do meio ambiente, pois as autoridades deram prioridade ao rápido crescimento ao invés do combate aos efeitos do mesmo sobre o ecossistema.

Segundo o comunicado, a partir de agora o governo central responsabilizará às autoridades locais pelo cumprimento dos objetivos na luta contra a poluição e será estabelecido um sistema de avaliação.

As autoridades chinesas aceleraram a tomada de medidas para lutar contra a poluição depois que, em janeiro deste ano, Pequim registrou um índice de contaminação de partículas PM2,5 - as mais perigosas para a saúde devido ao seu tamanho reduzido - de quase mil por metro cúbico, quase 50 vezes mais que o máximo aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.