Exército toma áreas perto de onde avião caiu na Ucrânia

Exército da Ucrânia tomou várias cidades da região de Donetsk, a poucos quilômetros do local onde foi derrubado no último dia 17 o avião malásio

	Soldado ucraniano faz guarda em frente a tanques blindados no leste da Ucrânia
 (Baz Ratner/Reuters)
Soldado ucraniano faz guarda em frente a tanques blindados no leste da Ucrânia (Baz Ratner/Reuters)
Por Da RedaçãoPublicado em 28/07/2014 09:06 | Última atualização em 28/07/2014 09:06Tempo de Leitura: 12 min de leitura

Kiev - O exército da Ucrânia tomou várias cidades da região insurgente de Donetsk a poucos quilômetros do local onde foi derrubado no último dia 17 o avião malásio com 298 pessoas a bordo, informou um comunicado.

As forças ucranianas tomaram a cidade de Debaltsevo, a 35 quilômetros do local do acidente, e a estratégica colina de Saur-Moguila, de onde as milícias pró-russas abriam fogo constantemente contra os militares.

Também recuperaram as cidades de Shajtarsk, muito próxima ao lugar onde estão os destroços do Boeing malásio, e Torez, a cidade de onde os corpos das vítimas do desastre partiram em um trem com vagões refrigerados rumo à cidade de Kharkiv.

Segundo o relatório militar, o exército e a Guarda Nacional ucranianos tomaram posições nos arredores da cidade de Gorlovka e se preparam para atacar as posições que controlam ali as milícias separatistas pró-Rússia.

Os combates se intensificaram nas últimas horas nas imediações do local onde caiu o avião da Malaysia Airlines, e ontem um grupo de especialistas holandeses e australianos precisou adiar a visita a esse lugar devido à intensidade dos tiroteios.

O porta-voz do Conselho de Defesa e Segurança Nacional (CDSN) da Ucrânia, o coronel Andrei Lisenko, disse ontem que as Forças Armadas da Ucrânia estavam nos arredores de Debaltsevo, e acrescentou que "agora todas as forças estão dirigidas a libertar o território onde ocorreu esta horrível tragédia".

Segundo Lisenko, isso é indispensável para que os especialistas internacionais cheguem à região do acidente e averiguem no terreno, a fim de "reunir todas as provas que permitam estabelecer as causas do desastre".

Ucrânia e Ocidente asseguram que o avião malásio foi derrubado por um míssil terra-ar disparado do território controlado pelos separatistas russófilos.