• AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
  • AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
Abra sua conta no BTG

EUA não descartam ação militar contra a Coreia do Norte

A medida será tomada caso o governo norte-coreano prossiga com as ambições nucleares
Coreia do Norte: o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, fez as duras declarações após uma visita à zona desmilitarizada que separa as duas Coreia (Reuters/Thomas Peter)
Coreia do Norte: o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, fez as duras declarações após uma visita à zona desmilitarizada que separa as duas Coreia (Reuters/Thomas Peter)
Por AFPPublicado em 17/03/2017 16:22 | Última atualização em 17/03/2017 16:22Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O governo dos Estados Unidos considera encerrada a política de "paciência estratégica" com a Coreia do Norte e advertiu que não descarta uma ação militar, caso Pyongyang prossiga com as ambições nucleares.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, fez as duras declarações após uma visita à zona desmilitarizada que separa as duas Coreias, quando citou o fracasso de 20 anos de esforços diplomáticos para deter o programa de armas nucleares de Pyongyang.

"Com certeza nós não queremos que as coisas cheguem a um conflito militar", disse à imprensa, antes de acrescentar: "Se (os norte-coreanos) elevarem a ameaça de seu programa de armas nucleares a um nível que consideramos que exige uma ação, então a opção está sobre a mesa".

"A política de paciência estratégica acabou", disse Tillerson pouco antes em uma entrevista coletiva ao lado do chanceler sul-coreano, Yun Byung-Se.

"Estamos estudando novas medidas diplomáticas, de segurança, econômicas. Todas as opções estão sobre a mesa", completou, sem revelar detalhes.

Esta é uma clara mudança a respeito da política conhecida como "paciência estratégica", adotada pelo antecessor de Donald Trump na Casa Branca, Barack Obama.

Washington descartou um diálogo com Pyongyang até que o regime norte-coreano se comprometa de forma clara com o fim do programa nuclear, com a esperança de que a tensão interna neste país isolado possa gerar mudanças.

O chefe da diplomacia americana, ex-CEO do grupo petroleiro ExxonMobil, viaja pela Ásia, em sua primeira experiência diplomática na gestão de crises.

Tillerson se reunirá com o presidente sul-coreano interino, Hwang Kyo-ahn, ao mesmo tempo em que Pequim exige de Washington uma nova forma de administrar o conflito com a Coreia do Norte.

Neste contexto, Tillerson visitará no sábado a China, principal aliado diplomático e sócio comercial de Pyongyang, para pedir que o país aumente a pressão sobre a Coreia do Norte.

O presidente Donald Trump usou o Twitter para cusar Pequim de não fazer o suficiente para pressionar seu vizinho do sul.

"A Coreia do Norte está se comportando muito mal. Estão 'brincando' com os Estados Unidos durante anos. A China faz pouco para ajudar!", tuitou o presidente.

Uma ambição nuclear

A Coreia do Norte aspira há muito tempo virar uma potência nuclear. O país executou o primeiro teste nuclear subterrâneo em 2006, ignorando por completo a oposição internacional. Desde então, o país realizou outros quatro testes, dois deles em 2016.

O Norte pretende desenvolver um míssil intercontinental balístico (ICBM) com capacidade para alcançar o continente americano. Apesar de Trump ter feito a promessa de que isto não acontecerá, analistas acreditam que a China, talvez, seja o último país com influência sobre o isolado regime de Kim Jong-un.

"Sabemos que outros países podem adotar medidas para pressionar a Coreia do Norte", disse Tillerson, em referência ao "nível máximo de ação possível no âmbito das resoluções do Conselho de Segurança da ONU", que condenaram reiteradamente Pyongyang.

Na quinta-feira, Tillerson prometeu em Tóquio - primeira escala de sua viagem - que pressionará a China para conter o aliado norte-coreano. Também afirmou na capital japonesa que 20 anos de diplomacia e sanções não tiveram nenhum efeito sobre Pyongyang, o que mostra a necessidade de uma "nova abordagem".

Durante a campanha eleitoral, o presidente Donald Trump provocou inquietação na região ao dar a entender que Japão e Coreia do Sul deveriam fazer mais por sua própria defesa.

Mas desde sua vitória, Trump se reuniu duas vezes com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e ressaltou o apoio total de Washington.

Não desestabilizar Kim

O governo chinês tem dúvidas sobre qualquer ação que possa desestabilizar o regime de Kim Jong-Un.

Além disso, Pequim criticou publicamente a decisão do governo dos Estados Unidos de instalar na Coreia do Sul o escudo antimísseis THAAD (Terminal High-Altitude Area Defense).

Tanto Seul como Washington afirmam que a instalação tem finalidade puramente defensiva, contra qualquer ameaça da Coreia do Norte.

Mas Pequim considera que o THAAD e seu potente radar poderiam reduzir a eficácia de seus próprios sistemas de mísseis. A China reagiu com irritação e adotou uma série de medidas que Seul interpretou como represálias econômicas.