EUA já cogitaram criar alternativa ao Canal de Suez com bombas nucleares

Memorando de 1963 traz detalhes sobre o plano de criar uma rota de navegação que passaria pelo deserto de Israel. Projeto foi abandonado

O bloqueio do Canal de Suezque gera prejuízos bilionários para a economia global – trouxe novamente à tona um plano que o governo americano tinha - e que foi abandonado - para criar uma alternativa para a rota da navegação. Um memorando de 1963 resgata a história que envolvia escavar um novo canal em Israel com o uso de mais de 500 bombas nucleares.

Quer acompanhar as principais notícias do mundo com análises de qualidade? Assine a newsletter de EXAME Invest Pro.

Desclassificado em 1996, o memorando foi produzido pelo Laboratório Nacional Livermore, órgão que pertencia ao Departamento de Energia dos Estados Unidos. O documento foi resgatado pelo historiador Alex Wellerstein, que usou o Twitter para expor detalhes do plano americano.

Um dos trechos do documento informa que o novo canal, que conectaria o Mediterrâneo ao Golfo de Aqaba, abrindo acesso ao Mar Vermelho e ao Oceano Índico, “seria uma alternativa estrategicamente valiosa ao atual Canal de Suez e provavelmente contribuiria muito para o desenvolvimento econômico".

O estudo foi produzido enquanto Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos investigava o uso de "explosões nucleares pacíficas" como forma de desenterrar infraestrutura que pudesse a ser útil, conforme lembra uma reportagem da Forbes.

O plano consistia no uso de 2 megatoneladas de explosivos nucleares para cada uma das 160 milhas de extensão que o canal teria. Nos cálculos de Wellerstein, isso significa o uso de 520 bombas nucleares ou 1,04 gigatonelada de explosivos.

Mas por que não escavar de maneira convencional? Uma questão de economia. A escavação de um canal pela região de Israel com métodos tradicionais seria muito cara. Na época, o laboratório atestou, por meio de uma investigação preliminar, que havia 130 milhas de “terreno baldio praticamente despovoado e, portanto, passíveis de métodos de escavação nuclear”.

O maior problema, segundo o próprio documento, seria a viabilidade política do projeto. Um dos trechos do memorando cita que “é provável que os países árabes que cercam Israel objetariam fortemente à construção de tal canal”.

O projeto permaneceu em caráter experimental e nunca foi pra frente, principalmente após novas descobertas dos efeitos nucleares após as explosões.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.