Congresso dos EUA aprova novo pacote de US$ 40 bi à Ucrânia

O pacote dos EUA inclui recursos para reforçar sistema de defesa aéreo e para "continuidade do governo" da Ucrânia
Mitch McConnell: raro apoio bipartidário no Congresso americano (Drew Angerer/Getty Images)
Mitch McConnell: raro apoio bipartidário no Congresso americano (Drew Angerer/Getty Images)
Por Da redação, com agênciasPublicado em 19/05/2022 15:15 | Última atualização em 19/05/2022 16:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Congresso dos Estados Unidos aprovou um pacote de ajuda de US$ 40 bilhões para a Ucrânia nesta quinta-feira, 19, o mais recente cumprimento da promessa do presidente Joe Biden de apoiar Kiev contra a invasão russa.

O pacote teve apoio tanto de republicanos quanto de democratas, e havia sido aprovado na Câmara na semana passada antes de ir ao Senado.

"A ajuda à Ucrânia vai muito além da caridade", disse o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell, que chegou a ir a Kiev neste mês para encontro com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

"O resultado desse conflito moldará o futuro da segurança americana e dos principais interesses estratégicos", acrescentou ele, horas antes da votação no Senado.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O presidente Joe Biden também divulgou um comunicado após a aprovação afirmando que o Legislativo americano "enviou uma mensagem bipartidária clara" ao povo da Ucrânia e em defesa da democracia.

Continuidade de governo

O valor astronômico é equivalente ao PIB de Camarões.

O pacote inclui US$ 6 bilhões para a Ucrânia reforçar sua frota de veículos blindados e sistema de defesa aérea. Quase US$ 9 bilhões são reservados para ajudar a "continuidade do governo" da Ucrânia, além da ajuda humanitária.

LEIA TAMBÉM: EUA aprova projeto para impedir 'manipulação' de preços de combustível

O Congresso já havia aprovado quase US$ 14 bilhões para a Ucrânia em meados de março, algumas semanas após a invasão russa.

Mas a propagação dos combates, que se deslocaram da capital para o leste e o sul da Ucrânia, levou Biden a pedir outra rodada de apoio financeiro por semanas.

Biden tem expressado repetidamente seu desejo de liderar o que descreve como uma grande batalha da democracia contra o autoritarismo. Os fundos que já haviam sido destinados ao apoio à Ucrânia estavam prestes a acabar, disse ele.

LEIA TAMBÉM: Primeiro soldado russo julgado na Ucrânia, de 21 anos, pede 'perdão'

"Pagamos agora ou depois"

Esse apoio bipartidário é raro em um Congresso profundamente dividido.

"Quando o assunto é Putin, ou pagamos agora ou pagamos depois", disse a senadora republicana Lindsey Graham, que no início do conflito na Ucrânia defendeu o assassinato do presidente russo no Twitter.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa sobe descolado de NY; Eletrobras salta 4% com privatização

Embora inicialmente se limitasse a enviar armas consideradas defensivas, Washington passou a fornecer artilharia, helicópteros e drones ao exército ucraniano.

Os soldados ucranianos recebem treinamento para usá-los nos Estados Unidos ou em países terceiros antes de retornar às linhas de frente.

Outros US$ 9 bilhões do último pacote também são destinados a ajudar os Estados Unidos a reabastecer seu próprio arsenal de armas.

O Senado também cumpriu seu papel tradicional como aliado do presidente nas relações exteriores na manhã de quarta-feira, confirmando Bridget Brink, diplomata de carreira, como a próxima embaixadora dos EUA na Ucrânia.

O cargo estava vago desde 2019.

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.